top of page

Dar manteiga de amendoim a bebês pode reduzir casos de alergia em 77%, diz estudo



Dar pequenas quantidades de manteiga de amendoim para bebês com idades entre 4 e 6 meses de idade pode gerar uma redução de 77% nos casos de alergia a este alimento na população, aponta um novo estudo.


Os autores da pesquisa afirmam que, diante destas evidências, a recomendação de autoridades em saúde de que uma criança não ingira alimentos até cerca de seis meses deveria ser mudada. Especialistas alertam, no entanto, que amendoins inteiros ou picados apresentam risco de asfixia e não devem ser dados a crianças menores de 5 anos.

A orientação atual do NHS, serviço de saúde pública do Reino Unido, afirma que amendoim triturado, moído ou em forma de manteiga pode ser introduzido na alimentação infantil a partir dos 6 meses de idade.

Um bebê está pronto para o primeiro alimento sólido se consegue ficar sentado, mantendo a cabeça firme, tem coordenação entre olhos, mãos e boca para que consiga olhar para a comida, pegá-la e colocá-la na boca e engula a comida, em vez de cuspi-la de volta.

Por que alergias alimentares acontecem? No Brasil, não há estatísticas oficiais sobre alergia alimentar, mas a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia afirma que a prevalência se assemelha à registrada na literatura internacional, que mostra que isso afeta cerca de 8% das crianças com até 2 anos de idade e 2% dos adultos.

As alergias alimentares são o resultado de nosso sistema imunológico confundir algo inofensivo com uma ameaça grave. Para algumas pessoas, mesmo uma pequena quantidade de amendoim pode levar a uma reação imunológica tão avassaladora que isso pode significar um risco de morte. Havia conselhos de longa data para evitar alimentos que podem desencadear alergias durante a primeira infância e que famílias evitassem o amendoim até as crianças atingirem 3 anos de idade. No entanto, as evidências nos últimos 15 anos viraram esse entendimento de cabeça para baixo. Em vez disso, comer amendoim enquanto o sistema imunológico ainda está em desenvolvimento pode reduzir as reações alérgicas, dizem especialistas.

Isso também significa que a primeira experiência do corpo com o amendoim ocorre na barriga, onde é mais provável que seja reconhecido como alimento, e não na pele, onde é mais provável que seja tratado como uma ameaça.

Em Israel, onde petiscos de amendoim são comuns no início da vida, as taxas de alergia são muito mais baixas, por exemplo.

Outros estudos sugeriram que a introdução precoce de outros alimentos ligados a alergias - como ovo, leite e trigo - também reduz alergias.

A pesquisa mais recente, publicada no periódico Journal of Allergy and Clinical Immunology, calculou quando é o melhor momento para começar a introduzir alimentos que contenham amendoim.

A análise foi conduzida pela Universidade de Southampton, o King's College de Londres e pelo braço de pesquisa do NHS.

Eles descobriram que o período crítico é entre 4 e 6 meses, durante o qual a ocorrência de alergia pode ser reduzida em 77%.

Atrasar a introdução de alimentos à base de amendoim até que a criança tenha 1 ano de idade reduziria os casos de alergia em 33%, de acordo com a pesquisa. Para bebês com eczema, que é um fator de risco para alergia, os pesquisadores recomendam começar aos 4 meses - desde que o bebê esteja pronto para alimentos sólidos.

Eles dizem que os pais devem começar oferecendo pequenas quantidades de frutas ou vegetais. Então, quando o bebê estiver confortável, cerca de três colheres de chá cheias de manteiga de amendoim por semana devem ser introduzidas e mantidas por anos. A manteiga de amendoim pode ser dada com o leite materno.

Graham Roberts, professor da Universidade de Southampton, disse que décadas de conselhos para evitar o amendoim "compreensivelmente levaram ao medo dos pais" de dar amendoim às crianças e mudar as regras levou a uma grande confusão tanto entre médicos quanto entre os pais.

No entanto, ele afirmou que esta seria uma "intervenção simples, de baixo custo e segura" que "traria grandes benefícios para as gerações futuras".


Fonte: G1

6 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page