top of page

Crianças cheiram a ‘flor’, adolescentes cheiram a ‘cabra”, conclui estudo



Poucos pais descreveriam os cheiros emanados de seus filhos adolescentes como cheirando a sândalo. Mas um dos componentes distintos do odor corporal dos adolescentes é um composto que evoca aquela fragrância quente e amadeirada, de acordo com um pequeno novo estudo, que comparou os aromas dos adolescentes com os de bebês e crianças pequenas.


Infelizmente, foi aí que terminaram as boas notícias para os adolescentes (e seus pais). Embora houvesse muitas semelhanças entre os produtos químicos emitidos por adolescentes e crianças pequenas, as diferenças tendiam a favorecer as crianças mais novas, cujas amostras de odor corporal apresentavam níveis mais elevados de um composto com fragrância floral. Os adolescentes, por outro lado, produziram um composto que cheirava a suor e urina e apresentava níveis mais elevados de substâncias descritas como com cheiro de queijo, mofo e “de cabra”.


Os autores do estudo, publicado na revista Communications Chemistry, não chegaram ao ponto de dizer que os resultados provaram que os adolescentes cheiravam pior do que os bebés. Mas as diferenças que documentaram “podem contribuir para um odor corporal menos agradável nos adolescentes”, disse Diana Owsienko, que conduziu o estudo como parte da sua investigação de doutoramento na Universidade de Erlangen-Nuremberg, na Alemanha.


O odor corporal é uma mistura complexa de produtos químicos transportados pelo ar, muitos dos quais são produzidos quando o suor e o sebo, uma substância oleosa normalmente secretada pelos folículos capilares, são decompostos por micróbios da pele ou reagem com outros compostos no ar.


As diferenças no cheiro entre crianças e adolescentes provavelmente resultam de mudanças na produção de suor e sebo provocadas pela puberdade, disseram os pesquisadores.


O estudo foi baseado em amostras de 18 crianças pequenas, com 3 anos ou menos, e 18 adolescentes que já haviam passado pela puberdade. Para coletar amostras de odor corporal, os cientistas costuraram pequenos remendos de algodão nas axilas de camisetas e macacões, que as crianças e adolescentes usaram durante a noite.


Os participantes foram solicitados a abster-se de usar produtos de higiene perfumados e de comer alimentos especialmente perfumados, como cebola e alho, durante 48 horas antes.


No laboratório, os cientistas extraíram e analisaram os compostos químicos que permeavam as manchas, reunindo amostras de várias crianças da mesma faixa etária. Amostras de odores de crianças pequenas continham a maioria dos mesmos ingredientes químicos que as amostras de adolescentes, descobriram os pesquisadores.


Mas havia dois compostos, ambos esteroides, que estavam presentes apenas nas amostras de adolescentes. As glândulas sudoríparas que não se tornam ativas até a puberdade secretam precursores desses compostos, que os micróbios da pele convertem nos esteroides em questão.

“Não existe um consenso global sobre como descrever os odores”, disse Helene Loos, investigadora de aromas e odores na Universidade de Erlangen-Nuremberg e autora do novo artigo.


Os especialistas em odores da universidade já haviam desenvolvido um vocabulário padrão para caracterizar os cheiros de diferentes compostos, com foco inicial nos aromas dos alimentos. “Agora também estendemos essa linguagem de sabores às substâncias que ocorrem nos odores corporais”, disse Loos.


O cheiro cuidadoso dos esteroides dos adolescentes revelou que um dos compostos cheirava a sândalo e almíscar. O outro também tinha qualidades de almíscar, com a infeliz adição de aromas de suor e urina.


Os adolescentes também apresentavam níveis mais elevados de compostos chamados ácidos carboxílicos, que tinham o cheiro de substâncias mofadas, queijo e cabra – bem como algumas com aromas menos ofensivos, descritos como terrosos, frutados ou semelhantes a cera.


Os ácidos carboxílicos estão contidos no sebo, que também inclui outros compostos que podem ser convertidos em ácidos carboxílicos por micróbios ou vários processos químicos. A produção de sebo aumenta durante a puberdade.


Os investigadores teorizam que, em combinação, os dois esteroides almiscarados mais os níveis mais elevados de ácidos carboxílicos podem explicar por que é que o odor corporal dos adolescentes pode ser desagradável para algumas pessoas.


“Acho que é difícil determinar se um odor é sempre agradável para todos e dizer que outro odor é sempre desagradável para todas as pessoas”, disse Owsienko. “Portanto, esta é uma suposição da nossa parte.”


Fonte: O Globo

12 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page