top of page

Conheça 7 condições de saúde que podem estar te deixando sempre cansado



Parece que cansado todo mundo está, mas não deveria ser assim.

  • Cansaço e indisposição têm sido queixas frequentes no seu dia a dia mesmo após períodos de descanso?

  • Costuma acordar com a sensação de que não repousou à noite?

Sentir fadiga pode estar relacionado a algumas doenças, inclusive a chamada síndrome pós-covid, e é preciso investigar para tratar as causas envolvidas, principalmente se a exaustão se estende por mais de seis meses.


O esgotamento físico ou mental tem consequências diárias, afetando atividades profissionais e as relações sociais e amorosas.


Acompanhe o que a recorrente falta de energia ajuda a explicar:


1. Hipotireoidismo


O hipotireoidismo —condição na qual a glândula tireoide não produz a quantidade suficiente de hormônio— é uma das doenças que deve ser pesquisada quando há fadiga.


Segundo André Ramos, médico reumatologista da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo, a disfunção tem entre os sintomas o desânimo, a falta de energia e a indisposição para a realização das atividades rotineiras. A pessoa fica mais lenta, porém com o tratamento adequado e a reposição hormonal, as queixas acabam.


2. Síndrome da fadiga crônica


A síndrome da fadiga crônica —ou encefalomielite miálgica— é quando a sensação de apatia se prolonga há mais de seis meses com outros sintomas associados, como:

  • febre baixa

  • dor de garganta

  • dor nos linfonodos --gânglios linfáticos

  • cefaleia

  • insônia

  • dores musculares


Não existe um exame único para relacionar a fadiga a uma disfunção, o diagnóstico é clínico e, muitas vezes, de exclusão, de acordo com Viviane Machicado, reumatologista, presidente da Sociedade Baiana de Reumatologia.


Entre as causas estão:

  • anemia

  • depressão e outros transtornos mentais

  • disfunções da tireoide

  • distúrbios metabólicos

  • infecções agudas

  • doenças inflamatórias

  • fibromialgia

  • síndromes autoimunes


"É preciso investigar o que está por trás da exaustão. Com o diagnóstico precoce, é possível intervir e tratar", afirma Machicado.


3. Síndrome da covid crônica


A covid, que é uma doença infecciosa aguda, tem o cansaço como um dos sintomas durante a sua manifestação, nos quadros leves. Porém, se a canseira se prolonga por mais tempo, deve-se buscar acompanhamento médico para o tratamento da fadiga pós-covid.


Nessas situações, é possível sentir também:

  • dores de cabeça, articulares e musculares

  • problemas de memória

De acordo com a presidente da Sociedade Baiana de Reumatologia, muitos estudos a respeito da síndrome da covid crônica estão em andamento.


4. Infecções virais ou bacterianas


Em casos de infecções virais ou bacterianas é comum sentir desânimo e cansaço, como se o organismo estivesse poupando energia para combater a doença.


O tratamento nessas situações inclui repouso e a cessação do fator desencadeante. Passando a doença, em geral, deixa-se de sentir a estafa.


Contudo é preciso atenção para que os processos inflamatórios não se tornem perpetuadores da fadiga, aumentando o risco de se tornar crônica, alerta o reumatologista da BP.


5. Estilo de vida


Sentir-se sempre cansado nem sempre é um sinal de condição grave de saúde e pode ser reflexo de um estilo de vida ruim.


A qualidade do sono é capaz de levar a episódios de ausência de energia e de vigor, devido ao excesso de telas —celular, computador, TV— que afeta o repouso à noite, por exemplo.


A má alimentação deve ser revista, pois faz com que o organismo perca a habilidade de se recompor, nas palavras de Carolina Ferrer, ortopedista e médica do esporte do Vita Ortopedia, do Grupo Fleury.


O sedentarismo e o pouco condicionamento físico são outros pontos que merecem atenção, pois resultam em cansaço constante e baixa disposição.


"É importante reavaliar esses fatores para reduzir o risco de desenvolver doenças crônicas, como diabetes e hipertensão arterial, condições que podem causar, também, fadiga."


6. Estresse e irritabilidade


O estresse do dia a dia e o acúmulo de funções, tanto no trabalho como em casa, vão, ao longo do tempo, comprometendo o equilíbrio emocional, desencadeando irritabilidade e problemas de concentração e memória, por exemplo.


"Assim, o cansaço que era inicialmente mental se transforma em físico", fala Ferrer.


7. Esforço momentâneo


Muitas vezes, a fadiga é decorrente de um esforço físico não habitual, como uma atividade física com a qual o organismo não está acostumado, deixando-o cansado.


Nesses casos, segundo o reumatologista da BP, após um período de descanso e relaxamento, essa sensação passa.


É fundamental não confundir com falta de ar ou fraqueza muscular. É importante diferenciar fadiga, fraqueza muscular —quando não há força e a musculatura não responde— e dispneia —falta de ar resultante de condições cardíacas e/ou pulmonares.


Não é rara a confusão entre elas, segundo a reumatologista.


Atividade física sempre


O exercício físico está no topo das medidas que ajudam a melhorar a fraqueza.

A prática regular favorece o condicionamento físico e a liberação de hormônios e neurotransmissores, como a adrenalina e a serotonina, que ampliam o bem-estar e a disposição.


"Assim, um ciclo virtuoso se estabelece em que existem vontade e prazer para a realização da atividade física, ao mesmo tempo que prepara as pessoas para o enfrentamento das tarefas cotidianas", explica Ramos.


A reumatologista indica também a terapia cognitiva comportamental, uma das modalidades com mais evidência da melhoria da condição crônica. E, em alguns casos, a fisioterapia.


Fonte: UOL

6 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page