Como funciona a dieta do jejum que conquista celebridades e anônimos



A modelo Gisele Bündchen, as atrizes Jennifer Aniston e Deborah Secco, a apresentadora Sabrina Sato e muitas outras celebridades garantem ter uma estratégia infalível para cuidar da boa forma. Elas ficam muitas horas, às vezes um dia inteiro — ou, nos casos radicais, até mais tempo —, sem comer. Por mais banal que possa parecer, a dieta do jejum prolongado tem conquistado adeptos por uma simples razão: a possibilidade de perder peso rapidamente.


Gisele, que tem como objetivo principal não ganhar nem um quilo a mais, costuma fazer refeições completas apenas cinco dias na semana. Nos outros dois, ingere míseras 500 calorias, ou um quarto do que um adulto precisa. Certas vertentes permitem o consumo de alimentos leves durante a pausa, como frutas, café preto e chás. Outras defendem fechar a boca por 24 horas de uma a três vezes por semana. Antes do jejum, a última alimentação deve ser pobre em carboidratos, o que faz com que as taxas de insulina caiam e o corpo se prepare para queimar gordura. Depois dessa janela, os adeptos do jejum fazem uma refeição normal, de preferência rica em nutrientes e com pouca gordura. Laticínios e alimentos com muito glúten, portanto, devem ficar de fora.


Funciona? A curto prazo, sim. Sem comida, o organismo passa a usar suas reservas de glicose, frequentemente guardadas como gordura. Mas é preciso ter cuidado. Isso porque o jejum interfere na ação natural de sentir fome na hora certa — quando falta glicose. Há o risco considerável de, pouco depois de o indivíduo parar de jejuar, o peso rapidamente voltar ao que era antes. Queda de cabelo, constipação, anemia, irritabilidade e falta de concentração são outras consequências possíveis de privar o corpo de alimentos. Por outro lado, os apoiadores da dieta armam que a prática reduz, por exemplo, o risco de doenças cardiovasculares. “Alguns estudos mostram que a dieta é promissora para gerenciar a obesidade e comorbidades associadas, desde que feita sob recomendação e com acompanhamento”, explica a nutricionista da Benecência Portuguesa de São Paulo Cristiane Hanashiro. Para a jornalista Layal Antanios, 34 anos, o novo regime a ajudou a perder 20 quilos em apenas dois meses. “Hoje em dia, faço jejuns de doze horas em média”, diz. “Estou mais disposta e feliz. O jejum virou meu estilo de vida.”





Fonte: Veja Saúde

7 visualizações0 comentário