top of page

Como a música pode ser antídoto para a ansiedade e estresse de adolescentes



A sessão de terapia começa quando Isobell, de 17 anos, pega um violão. Seus dedos, adornados com anéis de prata e esmalte preto, estão posicionados para tocar o primeiro acorde de “Candy Necklace”, de Lana Del Rey. Ela então começa a cantar, com sua voz soprano melancólica e ofegante que parece flutuar pela sala. A terapeuta de Isobell, Caitlin Bell, a acompanha ao piano.

Embora na verdade estejam sentados em um hospital — o Centro Louis Armstrong de Música e Medicina, localizado no Monte Sinai Beth Israel, em Manhattan (EUA) —, o espaço parece mais uma sala de estar de um músico, com partituras em exibição e estantes de madeira que revestem as paredes, cada uma abrigando diferentes instrumentos.

A musicoterapia, embora ainda seja um campo relativamente pequeno, cresceu na última década. A prática ajuda as pessoas a lidar com doenças tão diversas como o estresse, a dor crônica, a mobilidade limitada e a hipertensão, e é realizada em uma variedade de ambientes, incluindo hospitais psiquiátricos, clínicas ambulatórias, centros de idosos e escolas. A investigação científica começou a explorar porque é que a música parece ter um efeito tão forte na saúde e no bem-estar, particularmente na saúde mental, onde os sons podem servir como um canal para melhorar o humor de alguém, ajudá-lo a refletir e reduzir o estresse, a ansiedade e a depressão.

Quando ela tinha 14 anos, o tratamento de Isobell para a ansiedade parecia muito diferente. Na época, ela estava consultando um psiquiatra. Mas depois de experimentar dois medicamentos diferentes, ela sentiu que eles “não estavam realmente fazendo nada”. Ela estava começando a se sentir desanimada, até que seu médico — sabendo que ela adorava tocar violão e escrever músicas — recomendou que ela tentasse musicoterapia. Nos últimos dois anos, ela viajou para o Monte Sinai quase todas as semanas, apesar de sua agenda lotada como estudante do último ano de uma das escolas públicas mais seletivas da cidade de Nova York. Isobell, que pediu para ser chamada apenas pelo primeiro nome para proteger sua privacidade, explicou que cantar cria espaço para liberar emoções que podem ser difíceis de descrever. Até mesmo ouvir uma música e interpretar o significado “abre muito em minha mente”, acrescentou ela.

— Sinto que sempre fico em branco quando as pessoas me perguntam: 'E aí? O que está acontecendo?’ — ela diz. Mas a musicoterapia a ajuda a se tornar mais compreensiva consigo mesma. Como a musicoterapia pode melhorar a saúde mental? A pesquisa mostrou que adicionar musicoterapia ao tratamento regular de um paciente, como medicação e psicoterapia, pode melhorar os sintomas depressivos quando comparado ao tratamento padrão sozinho. Estudos também indicam que a musicoterapia pode diminuir os níveis de ansiedade e melhorar o funcionamento diário em pessoas com depressão.

Mais estudos são necessários para entender melhor o porquê, mas os cientistas sabem que a música envolve múltiplas regiões do cérebro, como o sistema límbico, que ajuda a processar emoções e lembranças. Em parte, pode ser por isso que a música é conhecida por trazer de volta memórias.

Procurando explorar essa ligação, Amy Belfi, professora associada da Universidade de Ciência e Tecnologia do Missouri (EUA), elaborou um estudo que comparou as memórias evocadas por canções populares com aquelas evocadas por imagens de celebridades. Ela descobriu que era muito mais provável que a música trouxesse detalhes autobiográficos vívidos do que as imagens.

— Acho que a música é capaz de provocar essas respostas emocionais que também facilitam a recuperação da memória — afirma Belfi, tentando explicar por que a musicoterapia pode ajudar a melhorar a cognição e a qualidade de vida em pessoas com demência . Diferentes estudos descobriram que a música também afeta nossos corpos de outras maneiras: canções com andamentos rápidos podem ser estimulantes, por exemplo, e música lenta ou meditativa pode ajudar as pessoas a relaxar. Além disso, tanto ouvir música quanto cantar podem reduzir os níveis de cortisol, hormônio que o corpo libera quando está sob estresse. E o prazer que sentimos ao ouvir música pode produzir dopamina, um neurotransmissor que influencia os centros de recompensa do cérebro.

Assim, como a musicoterapia é tão interativa — os clientes muitas vezes tocam instrumentos com o terapeuta ou escrevem letras juntos —, ela permite a autoexpressão tanto individualmente quanto em um ambiente comunitário, segundo Kenneth Aigen, diretor de musicoterapia da Escola de Cultura, Educação e Desenvolvimento Humano, da Universidade de Nova York.

A música tem sido uma força motriz ao longo da vida de Aigen. Nos últimos 14 anos, ele tocou teclado em um grupo que faz tributo à banda Grateful Dead. Ele deseja que seus clientes descubram o poder de se comunicar e colaborar com outras pessoas por meio da música, assim como ele fez, seja em sessões de grupo ou em reuniões individuais com um terapeuta.

— Quando você se junta a outros seres humanos através da música, não há outra experiência igual — afirma o diretor. — Acho que isso muda completamente a forma como você pensa sobre si mesmo — acrescenta.

Para Kerry Devlin, musicoterapeuta sênior que trabalha com pacientes graves no Hospital Johns Hopkins, em Baltimore (Maryland, EUA), a música é uma ferramenta terapêutica para compartilhar espaço com as pessoas durante alguns dos piores momentos de suas vidas.

Uma sessão pode dar aos pacientes uma sensação de autonomia e ajudá-los a “se reconectarem com sua própria humanidade no que muitas vezes parece ser um ambiente realmente estéril e assustador”, de acordo com Devlin. Ao prestar cuidados paliativos, por exemplo, ela usa um estetoscópio especial para registrar os batimentos cardíacos do paciente e, em seguida, trabalha com a pessoa e, às vezes, também com sua família para selecionar uma música significativa e adicionar letras ou harmonias personalizadas.

— Usamos os batimentos cardíacos dessa pessoa como pulso rítmico. Este é um pedaço da vida deles, registrado para todo o sempre, o que é um grande presente — conta a musicoterapeuta. Como surgiu a musicoterapia? A música criou comunidades e ajudou as pessoas a alcançar a catarse desde os tempos antigos, mas a musicoterapia só se tornou uma profissão mais recentemente. De acordo com a American Music Therapy Association, a referência mais antiga conhecida à musicoterapia aparece em uma revista publicada no final da década de 1780, e só se tornou uma profissão organizada muito mais tarde, em meados do século XX. Hoje, existem cerca de 10 mil provedores certificados em musicoterapia. Quais são os equívocos sobre a musicoterapia? Quando Devlin chega para suas sessões — com um violão amarrado nas costas e empurrando um carrinho cheio de instrumentos — algumas pessoas presumem que precisam ser dotadas musicalmente ou proficientes em tocar um instrumento para participar. Mas esse não é o caso.

— Podemos tocar um tambor juntos ou podemos dar-lhes algo que realmente vibre e proporcione uma sensação de ancoragem para ajudá-los a se conectar com seu corpo e sua respiração — pondera a profissional.

Outros, no entanto, preferem ouvir música em vez de criá-la. Cabe ao paciente decidir o que parece certo.

Outro mito sobre a musicoterapia é que os prestadores funcionam como artistas. Embora a música possa ser divertida, um musicoterapeuta não se apresenta para um público, mas sim utiliza técnicas terapêuticas para ajudar seus clientes a atingir objetivos, expressar suas emoções e compartilhar sua criatividade.


Fonte: O Globo

1 visualização0 comentário

Komentáře


bottom of page