Com mais de 100 mil hospitalizações por Covid, EUA registram maior nível de internações em 8 meses


O número de pacientes de Covid-19 nos hospitais dos Estados Unidos passou de 100 mil na quinta-feira (26), o patamar mais alto em oito meses, de acordo com o Departamento de Saúde, conforme uma ressurgência de casos de Covid-19 impulsionada pela variante delta, que é altamente contagiosa.

As hospitalizações de Covid-19 mais que dobraram no último mês. Ao longo da semana passada, mais de 500 pessoas com Covid foram internadas a cada hora em média, de acordo com dados do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA (CDC). Os EUA atingiram seu pico histórico de hospitalizações no dia 6 de janeiro, quando havia 132.051 pacientes de coronavírus em leitos hospitalares, segundo uma contagem da Reuters. No início de 2021, quando a campanha de vacinação se expandiu rapidamente, as hospitalizações caíram, atingindo o nível mais baixo no ano em 28 de junho, com 13.843. Mas as internações de Covid-19 aumentaram repentinamente em julho, quando a variante delta se tornou a linhagem predominante. O sul norte-americano é o epicentro do surto mais recente, mas as hospitalizações aumentam nacionalmente. A Flórida tem o maior número de pacientes de coronavírus hospitalizados, seguida por Texas e Califórnia, de acordo com dados do Departamento de Saúde. Mais de 95% dos leitos de unidades de tratamento intensivo do Alabama, da Flórida e da Geórgia estão ocupados no momento.

A variante delta, que se dissemina rapidamente sobretudo entre a população não-vacinada, também envia um número recorde de crianças aos hospitais: atualmente há mais duas mil hospitalizações pediátricas de Covid-19 confirmadas e suspeitas, segundo o Departamento de Saúde.

Califórnia, Flórida e Texas respondem por cerca de 32% do total de hospitalizações pediátricas de Covid-19 confirmadas e suspeitas no país.

No momento, as crianças representam cerca de 2,3% das hospitalizações nacionais de Covid-19 --as de menos de 12 anos não estão liberadas para receberem vacinas. O país torce por uma autorização de vacinas para crianças mais novas até o outono com o imunizante da Pfizer. O doutor Anthony Fauci, o maior especialista em doenças infecciosas dos EUA, disse nesta semana que a nação pode controlar a Covid-19 até o início do ano que vem se a vacinação acelerar. Os EUA deram ao menos uma dose de vacina a cerca de 61% de sua população, de acordo com o CDC.


Fonte: G1

2 visualizações0 comentário