top of page

Cogumelo alucinógeno pode ser usado para tratar anorexia, diz estudo



Uma nova pesquisa revelou que a psilocibina, substância alucinógena extraída de cogumelos, é eficaz no tratamento da anorexia nervosa. De acordo com os pesquisadores da Monash University, na Austrália, a substância é capaz de melhorar a manutenção do peso corporal e promover a flexibilidade cognitiva em ratos com a doença.


A anorexia é marcada pela perda de peso patológica decorrente de restrição alimentar e exercício excessivo. A condição tem uma das mais altas taxas de mortalidade entre as doenças psiquiátricas, sendo a principal causa de morte em mulheres entre 15 e 24 anos.


A inflexibilidade cognitiva pode ser um indicador de susceptibilidade à anorexia nervosa, pois a disfunção aparece antes dos sintomas surgirem e continua mesmo após a recuperação do peso.


Psilocibina restringe a anorexia


No estudo, publicado na revista científica Molecular Psychiatry em abril de 2024, foram usados ratos com anorexia. Os cientistas avaliaram os aspectos da aprendizagem dos animais para mostrar que a psilocibina facilita a flexibilidade cognitiva e, consequentemente, melhora a manutenção do peso corporal nas ratinhas.


Os resultados revelaram a existência de um mecanismo específico no cérebro onde a psilocibina atua para estimular uma maior adaptabilidade no “pensamento anoréxico”, possibilitando o desenvolvimento de terapias direcionadas.


“A inflexibilidade cognitiva é uma marca registrada da condição que geralmente surge antes que os sintomas da anorexia nervosa sejam óbvios e persiste após a recuperação do peso – tornando esse sintoma um alvo primário para intervenção terapêutica”, explica a pesquisadora Claire Foldi, uma das autoras do estudo, em comunicado.

A pesquisadora destaca que, embora os antidepressivos sejam a principal abordagem farmacológica atualmente, eles são usados off-label (fora das diretrizes indicadas em bula) e não melhoram os sintomas dos indivíduos com baixo peso e anorexia.


Fonte: Metrópoles

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page