Cidade de SP inicia busca ativa nas escolas municipais para vacinação contra Covid-19 nesta segunda


 
 

A Secretaria da Saúde da cidade de São Paulo começa nesta segunda-feira (21) uma busca ativa nas escolas da rede municipal por crianças de 6 a 11 anos que ainda não se vacinaram contra a Covid-19.


A busca ativa começa com a direção de cada escola municipal, que faz um levantamento das carteirinhas de vacinação contra Covid-19 dos alunos para verificar quais ainda precisam receber a primeira ou a segunda dose.

Segundo a prefeitura, as unidades de saúde de cada bairro, junto com as escolas, fazem o agendamento das ações de vacinação, que começam nesta segunda (21). Se necessário, cada escola pode ter mais de um dia de campanha. A vacinação deve ocorrer no horário de início das aulas e 30 minutos antes do término de cada período. Ainda segundo a prefeitura, a própria escola deve entregar os termos de consentimento aos pais ou responsáveis pelos alunos, indicando a data e horário da ação.

A ação faz parte da 'Semana E', criada pelo governo estadual com o objetivo de acelerar a imunização infantil e reduzir o número de adolescentes "faltosos", ou seja, que já cumpriram o intervalo obrigatório entre doses, mas não retornaram aos postos de vacinação da capital para completar o esquema vacinal básico contra a Covid.

A ação contará com a participação de técnicos da Vigilância em Saúde da secretaria municipal, que são aptos para fazer a aplicação dos imunizantes. Crianças com 5 anos e imunossuprimidos devem ser vacinados com a Pfizer pediátrica. Nas faixas etárias de 6 a 11 anos pode ser aplicada também a CoronaVac.

Como a imunização será feita em ambiente escolar, as instituições de ensino ficarão encarregadas de fornecer os termos de autorização, que terão de ser assinados pelos pais ou responsáveis e apresentados no dia marcado para a aplicação da vacina, junto com o cartão de vacinação (no caso dos que já podem tomar a segunda dose). 'Semana E' de vacinação No sábado (19), teve início a 'Semana E' de vacinação contra Covid-19 no estado de São Paulo. A ideia da Secretaria Estadual da Saúde era montar tendas em escolas estaduais, municipais e, se possível, em particulares, no período de 19 a 25 de fevereiro, para acelerar a vacinação infantil e aplicar segundas doses em adolescentes "faltosos".

Porém, como as equipes que realizam o processo de imunização são das secretarias municipais, coube às cidades definirem como essa 'Semana E' ocorreria em cada local.

Na capital paulista, a Secretaria Municipal da Saúde decidiu iniciar a campanha somente nesta segunda-feira (21) e apenas em escolas municipais. "As nossas UBSs já estão preparadas para poderem fazer sua vacinação nas escolas dentro dessa campanha", disse o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), na última quinta-feira (17).

Ele afirmou ainda que a campanha nas escolas não corre o risco de provocar desabastecimento de insumos e profissionais de saúde nas Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e postos de vacinação da cidade. Imunização infantil O imunizante produzido pelo Instituto Butantan começou a ser aplicado no público infantil da capital paulista em 22 de janeiro. Quem foi imunizado nesta data completou o intervalo obrigatório de 28 dias entre as doses de CoronaVac no sábado (19).

Apesar do imunizante do Butantan que é aplicado nas crianças de 6 a 11 anos ser o mesmo que o dos adultos – mesma dose também –, a SMS determinou que o intervalo entre D1 (primeira dose) e D2 (segunda dose) deve ser de 28 dias ou quatro semanas, no caso dos mais novos. Para os adultos, o período de espera segue de 15 dias ou duas semanas.

No caso de quem recebeu a primeira dose do imunizante da pediátrico da Pfizer, como crianças de 5 anos ou imunossuprimidas, o intervalo que deve ser aguardado para o recebimento da segunda dose é de 56 dias ou oito semanas.


Fonte: G1

3 visualizações0 comentário