China confina cidade de 4 milhões de habitantes para conter mais um foco de Covid


A 100 dias do início dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, que será realizado em Pequim, autoridades chinesas anunciaram nesta terça-feira (26) o confinamento de quatro milhões de habitantes na cidade Lanzhou, no noroeste da China, para conter um novo foco de Covid-19.


O governo tem endurecido as medidas para combater a pandemia nos últimos dias, com a adoção de um lockdown também no norte do país e o cancelamento da maratona de Wuhan, cidade que registrou os primeiros casos do novo coronavírus no fim de 2019 (veja mais abaixo).

"Todos os bairros residenciais devem permanecer fechados e os deslocamentos estritamente, controlados", anunciou o município após serem registrados 29 casos locais de Covid-19 nesta terça-feira (26).

As autoridades de Lanzhou afirmaram que a "entrada e saída de residentes" será rigidamente controlada e limitada a compras essenciais ou atendimento médico. Apesar do número pequeno de novos casos na comparação com outros países, o governo chinês tem intensificado as medidas de combate à pandemia no momento em que se prepara para receber os Jogos Olímpicos de Inverno, que serão realizados em fevereiro de 2022. Restrições devido à variante delta Na segunda-feira (25), autoridades determinaram o confinamento de milhares de pessoas no norte do país e pediram aos habitantes da capital Pequim que limitem os deslocamentos após 39 novos casos da doença nas últimas 24 horas. No domingo (24), a maratona de Wuhan foi adiada após o registro de 26 novos infectados. Wuhan foi a cidade que as primeiras infecções do coronavírus, ainda em 2019, antes de o vírus se espalhar pelo mundo.

O foco mais recente de Covid-19 na China está associado à variante delta, que é mais contagiosa. Mais de 100 novos casos foram registrados no país na última semana.

As autoridades de saúde advertiram que novos focos podem surgir com a ampliação da testagem nos próximos dias e diz que o novo surto está relacionado a um grupo de turistas locais. Hong Kong A cidade de Hong Kong também anunciou que vai endurecer ainda mais as restrições para entrada em seu território, que já estão entre as mais severas do mundo, para se alinhar à China. O centro financeiro internacional já impõe quarentena obrigatória em hotéis de 14 a 21 dias para a maioria dos viajantes. As normas incluem raras exceções, especialmente para diplomatas ou grandes empresários, que são autorizados a fazer o isolamento em casa, ou para alguns moradores que viajam à China continental.

Mas a chefe do governo local, Carrie Lam, afirmou que "em breve" a maioria das exceções à quarentena "serão canceladas".


Fonte: G1

1 visualização0 comentário