top of page

Carnaval é saúde! Quantas calorias perdemos atrás do bloco e as bebidas alcoólicas que engordam menos



Quatro dias seguidos (no mínimo) de folia para dançar, pular na rua, vibrar com a escola de samba predileta passar e também esquecer da dieta, academia e de outras questões importantes relacionadas à saúde. Mas o que se fala pouco durante o carnaval é que é possível, sim, aliar a festa dos blocos s e da avenida com queima calórica, condicionamento físico e escolher as bebidas alcoólicas com menos calorias.


O preparador físico Chico Salgado, personal de estrelas, como Xuxa, Angélica, Bruna Marquezine, Ingrid Guimarães, Grazi Massafera, Fernanda Torres, Fábio Assunção e Taís Araújo, afirma categoricamente que pular o carnaval pode ser considerado um bom exercício.


— Quando falamos de atividade física nos referimos ao movimento corporal produzido pelos músculos. Trata-se de uma atividade física planejada, estruturada e repetitiva com o objetivo de melhorar ou manter a aptidão física. Ou seja, quando pensamos em gasto calórico e o esforço do corpo em se manter de pé, o bloco de carnaval é classificado como um exercício físico — diz.


Segundo o profissional, uma pessoa de 70 quilos, chega a perder mais de mil calorias por hora pulando atrás de um bloco, por exemplo.


O especialista em qualidade de vida e colunista do GLOBO, Marcio Atalla diz que não tem milagre e afirma que para perder calorias é necessário se movimentar.


— Não importa se você vai atrás do bloco ou do trio elétrico. Quanto mais grupo muscular mexer, mais calorias você vai perder. Independente se é uma caminhada, pulando ou dançando, quanto mais rápido e intenso for, mais calorias você queima.


Mas é de extrema importância, antes de ir para os blocos, se hidratar e ingerir comidas leves para curtir da melhor forma. Entretanto, a hidratação é referente a água, água de coco, sucos naturais de fruta e não bebidas alcoólicas, que são presença confirmada em todo o bloco de carnaval.


Segundo a nutricionista e psicóloga Thais Araújo, de São Paulo, é difícil fazer uma dieta que inclua álcool, isso porque a bebida alcoólica tem um impacto muito grande no organismo, já que além do aumento calórico, o consumo causa retenção de líquido e impacta na saúde do intestino e do fígado.


O álcool age no corpo como uma toxina, contaminando seu funcionamento. Por ser diurético, ele estimula a produção de urina e, consequentemente, nos desidrata. Também força uma reação inflamatória no sistema imunológico e causa queda de açúcar no sangue, fazendo o corpo ficar trêmulo e debilitado.


Bebidas destiladas, como o gin, não contêm açúcares ou carboidratos naturalmente. No entanto, a alta caloria desses produtos vem do açúcar que compõe os drinques, usado geralmente para tirar o gosto amargo. Componentes como leite condensado, caldas, licor, por exemplo, fazem com que o teor calórico suba. É o caso da caipirinha, que tem quase três vezes mais calorias que uma lata de cerveja.


A nutricionista e colunista do GLOBO Priscilla Primi diz que para manter a dieta bebendo álcool, é necessário optar pelas bebidas mais leves e menos calóricas, como um vinho branco espumante, sangria e clericot.


— Faço uma versão com vinho branco, coloco refrigerante zero de limão e várias frutas, como morango e lichia. Sirvo como um ponche. É uma bebida diluída e acaba tendo menos calorias — afirma Primi.


Uma taça de vinho branco, por exemplo, tem cerca de 170 calorias ( menos do que uma taça de vinho tinto que gira em torno de 230 calorias). A bebida número 1 entre os foliões, a cerveja, contém 156 calorias (valor correspondente a uma lata). A versão light, Uma dose de gin contém cerca de 60 calorias.


Catuaba e cachaça


Há mais de 20 anos no mercado, a catuaba virou uma das bebidas símbolos do carnaval entre os jovens, muito por conta do baixo custo. A bebida é feita a base de vinho tinto com teor alcoólico de 16%. Outros ingredientes são suco de maçã, guaraná e marapuama.


Um dos agravantes da catuaba é que ela é muito doce, o que faz seus usuários beberem mais e não perceberem os altos níveis de álcool que estão ingerindo. Ela, inclusive, foi eleita recentemente como a pior bebida alcoólica brasileira.


As avaliações foram do site gastronômico TasteAtlas, que conta com um público formado majoritariamente por estrangeiros. A bebida foi descrita como “doce, de cor escura, barata e, portanto, bastante popular no Brasil”. Ela recebeu nota 3,1 dos 5 pontos possíveis. Ela também é bem calórica, podendo ser comparada com a caipirinha. Um copo de 250 ml da bebida, o equivalente a um copo de requeijão, tem cerca de 282 calorias.


A cachaça também chegou a ter um mal desempenho nas avaliações com 3,7 pontos. O destilado de cana-de-açúcar foi apresentado como uma das bebidas mais antigas do país e também é uma das escolhas de foliões. Apesar disso, uma dose da bebida com 50 ml, tem cerca de 115 calorias.


Independente da escolha da bebida e de suas calorias, é importante sempre se divertir, mas com moderação e não exagerar em nenhuma das escolhas.


Atualmente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) preconiza que não existe um padrão de consumo de álcool absolutamente seguro. No entanto, o consumo moderado é aquele que apresenta um baixo risco para a saúde.


As principais diretrizes definem o consumo moderado de álcool como duas doses ao dia para homens e uma dose para mulheres. Cada dose corresponde a uma lata de 350 ml de cerveja, uma taça de 150 ml de vinho ou 45 ml de destilado, como vodca ou gim.


Confira uma tabela de calorias das bebidas preferidas dos foliões neste carnaval:


  • 1 dose de gin tônica: 60 calorias

  • 1 lata de cerveja: 156 calorias

  • 1 lata de cerveja light: 71 calorias

  • 1 dose de 50 ml de cachaça: 115 calorias

  • 1 copo de Moscow Mule: 153 calorias

  • 1 taça de vinho branco: 170 calorias

  • Catuaba (250ml equivalente a um copo de requeijão): 282 calorias

  • 1 copo de caipirinha (250 ml): 300 calorias


Fonte: O Globo

3 visualizações0 comentário
bottom of page