"Cai a desculpa de que problema na Saúde era a logística", diz Mandetta


O ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) pediu esclarecimentos ao governo de Bolsonaro após denúncia feita por Paulo Dominguetti Pereira, representante da Davati Medical Supply, empresa que tentou negociar com o Ministério da Saúde a venda de 400 milhões de doses da vacina da AstraZeneca, será convocado para depor na próxima sexta-feira.


Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo, Dominguetti acusou o diretor de Logística do Ministério da Saúde, Roberto Ferreira Dias, de cobrar a propina de US$ 1 por dose em troca de fechar contrato com o Ministério da Saúde. Segundo a reportagem, a suposta cobrança de propina ocorreu em um jantar no restaurante Vasto, no Brasília Shopping, no dia 25 de fevereiro.


Cai a desculpa de que o problema na Saúde era logístico. Transporte e tráfico de interesses escusos, típicos do toma lá dá cá que este governo dizia combater. Fatos graves. Esclareçam.

Roberto Dias foi indicado ao cargo pelo líder do governo de Jair Bolsonaro na Câmara, Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo na Câmara dos Deputados. Sua nomeação ocorreu em 8 de janeiro de 2019, na gestão do próprio ex-ministro Luiz Henrique Mandetta (DEM).


De acordo com o deputado federal Luis Miranda (DEM-DF), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), associou Barros às irregularidades identificadas na negociação pela compra das vacinas Covaxin. O servidor do Ministério da Saúde responsável pelas importações e que levantou suspeitas sobre as negociações é Luis Ricardo Miranda, irmão do deputado denunciante.


Inicialmente, a Davati negociou cada dose do imunizante ao preço de US$ 3,5 por cada; depois passou a US$ 15,5.


O caminho do que aconteceu nesses bastidores com o Roberto Dias foi uma coisa muito tenebrosa, muito asquerosa.


Repercussão


Após a denúncia, o presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), anunciou nas redes sociais que Paulo Dominguetti Pereira seria convocado a depor.


"Denúncia forte. Vamos convocar o senhor Luiz Paulo Dominguetti Pereira para depor na #CPIdaPandemia na próxima sexta-feira, dia 02/07", escreveu ele, nas redes sociais, na noite de hoje.

Momentos antes do anúncio de Aziz, o vice-presidente da CPI da Covid, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), anunciou a apresentação de requerimento para a convocação de Dominguetti à Comissão Parlamentar de Inquérito.


Nas redes sociais, Randolfe Rodrigues reagiu às denúncias de corrupção e escreveu que o vendedor precisa ir à CPI da Covid, que apura ações e omissões do governo federal em meio à pandemia.


"Corrupção! Ladroagem", iniciou Randolfe. "Estou, junto com senador Alessandro, apresentando requerimento de convocação do sr. Luiz Paulo Dominguetti Pereira, representante da Davati Medical Supply. O mesmo detalha o pedido de propina por parte do governo Bolsonaro."

Fonte: UOL

9 visualizações0 comentário