top of page

Cães auxiliam volta às aulas de crianças que presenciaram massacre nos EUA



Para alguns alunos do Distrito Escolar Independente Consolidado de Uvalde, no estado americano do Texas, o início das aulas nesta semana veio com sentimentos de medo e ansiedade.


Em maio, a Robb Elementary – que agora está fechada e pode ser demolida em breve – foi palco de um tiroteio que custou a vida de 19 alunos e dois professores. Desde então, alguns alunos não se sentiram à vontade para voltar a uma sala de aula.


Quando os pais deixaram seus filhos na escola na manhã de terça-feira (6), alguns alunos não quiseram sair do carro – mas 10 golden retrievers de todo o país que trabalham como cães de assistência emocional estavam no local, ajudando a aliviar os nervos e fornecer uma distração, disse Bonnie Fear, coordenadora de resposta a crises do ministério Lutheran Church Charities K-9 Comfort Dog. Este é um retorno à escola diferente do que a comunidade já experimentou.


“Havia muita hesitação e ansiedade em sair do carro e entrar na escola. Então, colocamos os cães do lado de fora, e acredito que isso ajudou algumas das crianças a ver o cachorro e se aclmar”, disse Fear, cuja equipe também forneceu apoio para a comunidade imediatamente após o tiroteio em maio.


O distrito escolar de Uvalde convidou o ministério a trazer os cães de volta para oferecer conforto durante as primeiras três semanas de aula. Os dez cães apoiarão oito escolas; cada cão tem dois tratadores.


Em algumas escolas, os animais ‘cumprimentavam’ os alunos do lado de fora. Em um campus, os cães se sentaram silenciosamente no escritório de um conselheiro para ajudar os alunos necessitados, disse Fear, e em uma escola secundária, os cães estavam em um corredor.


“Isso continuará mudando à medida que as necessidades surgirem, à medida que as crianças entrarem em sua rotina – e onde os cães forem necessários, os conselheiros nos instruirão para onde ir”, disse Fear. “Nosso objetivo é estar presente com aqueles que estão sofrendo e necessitados, e nós aparecemos e apenas estamos com eles no que quer que estejam sentindo”.


Cachorros de assistência emocional têm ajudado a apoiar comunidades afetadas pela violência armada devastadora há anos. Eles foram enviados para Newtown, Connecticut, após o tiroteio na Sandy Hook Elementary School em 2012.


Os cães também foram levados para Orlando, Flórida, para proporcionar conforto após o tiroteio na boate Pulse em 2016 e para Parkland, Flórida, após o tiroteio na Marjory Stoneman Douglas High School em 2018.


As equipes do ministério Lutheran Church Charities K-9 estavam no local de cada uma dessas tragédias.


“Somos convidados, aparecemos e deixamos os cães fazerem seu trabalho”, disse Fear.


“Os animais podem ajudar a aliviar medos e ansiedades”


Um número crescente de estudos sugere que passar tempo com um cão de assistência emocional pode ajudar a reduzir a experiência de dor de um paciente hospitalar e, entre os estudantes universitários, a interação direta com um cão resultou em maiores declínios na ansiedade e melhora do humor.


É claro que a maioria dos especialistas enfatiza que o benefício que um animal de estimação ou de companhia oferece é complementar à terapia médica ou psicológica que a pessoa recebe.


“Para aqueles que sofreram traumas, cães e animais em geral podem ajudar a facilitar o processo de cura. Os animais podem ajudar a aliviar medos e ansiedades”, escreveu Angela Whittinghill, terapeuta comportamental infantil e adolescente com sede em Jacksonville, Flórida, na empresa de saúde comportamental pediátrica Brightline, em um e-mail à CNN. Ela inclui um cão de assistência emocional em sua própria terapia.


À medida que as pessoas se curam após tragédias, uma variedade de intervenções de apoio, não importa quão grandes ou pequenas, podem precisar ser implantadas.


“Retornar à escola após uma tragédia como a vivida em Uvalde, no Texas, deve ser um evento extremamente indutor de ansiedade para as crianças e funcionários. Disponibilizar cães de terapia para eles seria uma das melhores maneiras de ajudar a curar as feridas, uma opção muito melhor do que fornecer apenas terapia de conversação”, escreveu Whittinghill.


Whittinghill, que nasceu e cresceu em Honduras, acrescentou que os cães de assistência emocional podem ser especialmente benéficos para a comunidade de Uvalde, cujos moradores são predominantemente hispânicos ou latinos.


“Cães são curandeiros e essas crianças precisam de cura, falar com estranhos sobre nossos sentimentos não é algo com o qual a comunidade hispânica se sente confortável”, escreveu ela. “Nesse caso, os cães de terapia serviriam a um propósito ainda maior”.


Os cães podem perceber quando alguém está chateado ou precisa de ajuda, de acordo com Julia Meyers-Manor, professora associada de psicologia no Ripon College, em Wisconsin, que chegou a essas descobertas em sua pesquisa.


“Sabemos que os cães podem reduzir o estresse por meio de carícias e até mesmo da presença física. Também sabemos que os animais podem aumentar a frequência e a disposição de aceitar terapia em crianças e adultos”, escreveu Meyers-Manor em um e-mail à CNN.


“Minha pesquisa sobre empatia sugere que os cães são sensíveis ao choro humano e procuram fazer contato com indivíduos que choram”, escreveu ela. “Sabemos que a empatia dos cães não é toda a história, pois as pessoas encontram conforto mesmo em bichos de pelúcia, fotos de animais e até animais robóticos”.


Quanto a Uvalde, Meyers-Manor acrescentou que acha que os cães de assistência emocional podem ajudar os membros da comunidade, especialmente as crianças, em momentos de estresse e ansiedade – mas é importante ter em mente que algumas crianças podem ser alérgicas ou com medo de cães.


“Devemos ser cuidadosos com os cães que escolhemos usar e como os implementamos. […] Nem toda criança é consolada por um cachorro”, escreveu ela. “Quando usados como parte opcional do dia escolar, acho que podem trazer um pouco de alegria para as crianças”.


Uma área de pesquisa emergente


A literatura científica sobre cães de assistência emocional data das décadas de 1950 e 1960, quando o psicólogo americano Boris Levinson apresentou um artigo à American Psychological Association em Nova York sobre como “a importância do animal de estimação” para os humanos era “psicológica e não prática”.


“Ele era um conselheiro de algum tipo. Seu cachorro estava por perto – isso foi nos anos 1950 – e ele começou a incorporar o cachorro em seu trabalho porque o cachorro estava ajudando a desenvolver um relacionamento terapêutico com seus clientes”, disse Colleen Dell, pesquisadora de terapia animal, médica e professora da Universidade de Saskatchewan, no Canadá.


Levinson foi descrito em pesquisas como “o primeiro clínico treinado profissionalmente a apresentar e documentar formalmente” a maneira como os animais de companhia podem acelerar o desenvolvimento de um relacionamento entre terapeuta e paciente.


No entanto, a implantação generalizada de animais de assistência emocional – como o que foi visto em Uvalde e em outras cenas de tragédia ou desastre – permanece relativamente novo, disse Dell.


Mais pesquisas sobre isso surgiram na última década, mas não são definitivas, disse ela. Por exemplo, alguns estudos científicos sugerem que interações pacíficas com um cachorro – como acariciar o animal – podem aumentar o nível de oxitocina de uma pessoa, um hormônio que reduz a ansiedade e a pressão arterial.


Mas “os poucos estudos que estão por aí têm resultados mistos. Temos tamanhos de amostra limitados e diferentes maneiras pelas quais os pesquisadores analisam seus dados e assim por diante. Isso não é uma coisa ruim de forma alguma. É apenas uma área que está emergindo”, disse Dell.


“Há tanta coisa acontecendo neste tipo natural de relacionamento ou comunicação ou conexão entre o paciente ou o participante e o cão”, disse ela. “E então não é apenas o cão, há um tratador lá – e realmente não houve estudos que analisem o impacto desse tratador porque eles também estão mediando o impacto”.


No geral, disse Dell, ela acha que disponibilizar cães de assistência emocional para pessoas que passaram por uma tragédia recentemente, como em Uvalde, pode ser benéfico se a pessoa gostar de cachorro.


“Eles vão ser uma distração”, disse ela sobre os cães. “Então, apenas nesse nível, isso pode ter um impacto benéfico. E o conforto e apoio que o cão pode fornecer – eles podem ouvir, eles não vão julgar – isso será muito importante, especialmente para as crianças”.


Fonte: CNN

16 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page