Brasileiro não sabe se escuta o ministro ou o presidente, diz Mandetta

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, afirmou, em entrevista exclusiva exibida na noite deste domingo (12) no Fantástico, que o brasileiro não sabe se escuta o presidente da República ou ele próprio, o ministro. Mandetta disse que é sua obrigação como brasileiro pedir aos governadores que retenham a mobilidade acelerada dentro das cidades, o que, segundo ele, “pode ser muito ruim para o país”.

O chefe da pasta da Saúde, responsável por coordenar as ações de combate à pandemia do novo coronavírus no Brasil, foi questionado se fica constrangido com o descumprimento, pelo presidente Bolsonaro, das orientações do ministro. Enquanto Mandetta tem orientado a população a ficar em casa, Bolsonaro tem minimizado os riscos da doença e feito passeios nos quais matém contato físico com apoiadores.

Fantástico: O senhor tem dito nas coletivas que médico não abandona paciente. Mas ao mesmo tempo disse que precisa de paz para trabalhar, reclamou de solavancos internos… Já houve insinuação de demissão – o próprio presidente não respeita as orientações do senhor. Ontem mesmo vocês estiveram juntos em um hospital de campanha na região de Brasília e ele fez questão de contrariar suas recomendações na frente do senhor. Essa relação tem constrangido o senhor? Luiz Henrique Mandetta: Ela preocupa porque a população olha e fala: “mas será que o ministro é contra o presidente?” Não há ninguém contra nem a favor de nada. O nosso inimigo, o nosso problema, é o coronavírus. Esse é o nosso adversário, inimigo. Se eu estou ministro da Saúde, é por obra de nomeação do presidente. Quando eu falo, e usei uma expressão “ah, tá muito difícil, por que você não sai?”. Falei: “Médico não abandona paciente, foi assim que aprendi com meu pai, aprendi com meus mestres”. Mas ao mesmo tempo quem fala pelo paciente, quem nomeia o médico, é o responsável pela família do paciente, que é o presidente. Se ele me mantém e se ele me coloca para trabalhar, eu imagino que ele tenha uma concordância implícita com as decisões e as orientações do Ministério da Saúde. Se ele eventualmente assim não o tem, também cabe muito mais a ele a propriedade de manter ou trocar o ministro da Saúde em função do seu olhar, que é movido muitas vezes também por outras partes dessa crise.

Essa crise tem gente que a a olha pela informação, pelo lado da cultura. O presidente olha pelo lado da economia. O Ministério da Saúde entende a economia, entende a cultura e educação, mas chama pelo lado de equilíbrio e proteção à vida. Eu espero que essa validação dos diferentes modelos de enfrentação possa ser comum e termos uma ala única, uma fala unificada. Porque isso leva pro brasileiro uma dubiedade. Ele não sabe se ele escuta o ministro da Saúde, se ele escuta o presidente, quem é que ele escuta. Eu falo: “A OMS orienta assim. O sistema americano, espanhol, francês, inglês, caiu. Acho que o nosso é mais frágil que esses todos”. É minha obrigação como brasileiro, de quem está vendo nossas fragilidades históricas, favelas, nossa patriazinha pequena, é minha função dizer, estar ao lado, dos meus médicos, estar ao lado da população, protegê-los, pedir aos governadores que retenham essa mobilidade acelerada, porque isso pode ser muito ruim para o país. Eu não julgo, não aponto dedo, não sou juiz. Eu cumpro papel de quem foi nomeado ministro e recebe salário pago pelos brasileiros em função de um cargo indicado pelo presidente para dizer verdade, transparência. Minhas fragilidades eu coloco pra quem tiver, acertos e erros, equipe com o que tem de melhor no momento para oferecer. […] O sistema tá ali do seu lado e vai dizer o que tem que ser dito, não importa o cenário e a quem endereça. A gente fala para todos os brasileiros.

Exclusivo: ‘brasileiro não sabe se escuta o ministro ou o presidente’, diz Mandetta

Fantástico: Ministro, primeiramente obrigado pela entrevista. Estou aqui no Rio de Janeiro e o senhor em Goiânia, no Palácio das Esmeraldas, sede do Governo do Estado de Goiás. Mandetta: É isso. Eu vim aqui hoje, minha família, eu e minha esposa, estamos sem os filhos, sem meu pai, minha mãe. Em nome das nossas famílias, eu cumprimento todas as famílias brasileiras e a família do jornalismo do Fantástico nesse domingo de Páscoa tão atípico para todos nós.

Fantástico: O senhor sempre dá orientações para os brasileiros, sobre os cuidados a serem tomados. Na vida pessoal do senhor, que cuidados o senhor tem tomado? Mandetta: Dentro do Ministério da Saúde, como a equipe é uma equipe que está trabalhando comigo, muito já formada, muito bem distribuída, a nossa distância entre um e outro é de 2,5 a 3 metros, em qualquer circunstância. Até agora, nós não tivemos nenhum colaborador nosso que tenha tido a gripe, a virose.

É um cuidado muito grande, uma saudade muito grande do meu neto, dos meus filhos que estão em Mato Grosso do Sul, do meu pai, da minha mãe. Esses eu falo com eles normalmente, por telefone, vendo as imagens. Uma parte que é dura para todo mundo. A gente também tem feito esse exercício de distanciamento de quem gosta, de quem ama a pessoa, e que sabe que nesse momento temos que ficar distante para proteger. Acho que no dia a dia não é diferente do que cada brasileiro está passando para tentar passar por isso junto. Quando a gente protege a família da gente, a gente está protegendo a família de todo mundo.

Fantástico: Já teve algum momento de fragilidade durante essa crise? Mandetta: Acho que sim. Às vezes a gente também se pega profundamente emocionado quando um neto pergunta por que não está indo vê-lo. Às vezes você fica um pouco emocionado, a voz fica um pouco embargada, mas você respira fundo.

Fantástico: Ministro, vamos aos números aqui. Neste feriado da Semana Santa, o Brasil ultrapassou a marca de mil mortes por coronavírus. Qual a expectativa do senhor para esta próxima semana?Mandetta: Primeiro, nós sabemos que esses números estão subestimados. Dentro do que a gente pensava lá no início, em fevereiro, fazendo simulações com outros países, fazendo adequações pro nosso clima, mais ou menos a gente sabia que chegaria na primeira quinzena de abril a aproximadamente com esses números. Sabemos também desde o início que fizemos a projeção que a segunda quinzena de abril seria a quinzena que aumentaríamos e que o mês de maio e junho seriam os meses de maior estresse pro nosso sistema de saúde. Nós estamos agora vivendo um pouco do que fizemos duas semanas pra trás. Se iniciarmos precocemente uma movimentação, nós vamos voltar a ter aquele mesmo padrão do início aonde você tinha dia após dia um aumento do surgimento de brotes epidêmicos. A gente imagina que os meses de maio e junho serão os sessenta dias mais duros para as cidades. A gente tem diferentes realidades. O Brasil a gente não pode comparar com um país pequeno, como é a Espanha, como é a Itália, a Grécia, Macedônia e até a Inglaterra. Nós somos o próprio continente. Sabemos que serão dias duros. Seja conosco ou qualquer outra pessoa. Maio, junho, em algumas regiões julho, nós teremos dias muito duros.

Fonte: Bem Estar

#brasileiro #Mandetta #ministro #presidente

1 visualização

© 2020 Portal Saúde Agora. Tudo sobre SAÚDE em um só lugar!

  • Facebook
  • Instagram