Bonitas, mas ineficientes: veja máscaras estilosas que não protegem da covid-19


Você já comprou uma máscara por ela ser "estilosa"? Saiba que sem saber, você pode estar 'jogando dinheiro fora' e ainda se expondo ao coronavírus. A infectologista Raquel Muarrek explica que é preciso ter critério ao escolher uma máscara de proteção, já que ele não pode perder sua função principal.


"Máscara tem a contaminação por uso errado, tamanho e por tempo inadequado de utilização, explica Muarrek. A infectologista explicou, quais materiais não protegem da covid-19.


Máscaras de tricô


A notícia de que Fabiana Justus teria contraído covid-19 após usar máscara de tricô tirou a paz de muita gente. A máscara de tricô está entre os acessórios que menos protegem da contaminação pelo vírus. Isso acontece porque o espaço entre as fibras permite que o vírus se instale.


"A diferença entre fibras faz com que a classificação da máscara de tricô não tenha a garantia da diminuição do contágio", explica Muarrek

O raciocínio, nesse caso, parte do bom senso: se cabe uma agulha de tricô, cabe o vírus


Máscara de paetê


Entre os materiais que são indevidos para a confecção de máscaras está o tecido de paetê. De acordo com a infectologista, "as máscaras qualidade duvidosa são aquelas que têm várias costuras no tecido, quando não são de dupla face ou quando não estão com uma qualidade garantida"


Máscara de gola


A máscara embutida na gola da blusa é sucesso nos e-commerces internacionais, mas não é o melhor método de proteção contra a covid. Aqui, o problema também é a procedência do tecido.

Outro problema com a gola acontece por conta do mal posicionamento da máscara. Segundo Raquel Muarrek diz que o acessório precisa contornar o rosto todo e não deixar brechas para ser efetivo.


"Contamina-se altamente quando você usa errado, com tecido inadequado e quando usa por tempo inadequado."


Qual tipo de máscara é permitida?


De acordo com o documento da OMS traduzido pela organização Pan- Americana de saúde, a máscara deve ter:

- Uma camada interna feita de material hidrofílico, como algodão ou misturas de algodão. - Uma camada externa feita de material hidrofóbico, como polipropileno, poliéster ou misturas desses materiais), para limitar a contaminação externa por penetração até o nariz e a boca do usuário. - Uma camada intermediária hidrofóbica feita de material sintético não tecido, como polipropileno, ou uma camada de algodão, para melhorar a filtração ou reter gotículas

"A classificada como a melhor é a n95" alerta a infectologista Raquel Muarrek. "As outras de tecidos principais entram: algodão, tricoline e TNT. Lá em baixo entra a máscara n95 com válvula, só tem proteção para a pessoa que está usando ela não protege terceiros."


Fonte: Folha Vitória

24 visualizações0 comentário