Bolsonaro condecora ministros e primeira-dama por serviços à saúde


O presidente Jair Bolsonaro condecorou, em uma cerimônia nesta quinta-feira (05/08), 41 pessoas por serviços prestados à saúde em meio à pandemia de covid-19, que matou mais 560 mil brasileiros. Receberam medalhas de Ordem do Mérito Médico e Mérito Oswaldo Cruz a médicos da iniciativa privada, ministros e a primeira-dama Michelle Bolsonaro.


O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, entregou as honrarias ao lado do mandatário. Criada em 1970, com o nome do cientista, médico, sanitarista e um dos fundadores da saúde pública brasileira, a Medalha do Mérito Oswaldo Cruz é dividida em três graus de condecoração: ouro, prata e bronze.


De acordo com a Secretaria de Comunicação, o evento foi uma homenagem do governo federal a quem ajuda a desenvolver ações em prol da saúde de brasileiros em todo o país. Receberam a medalha de ouro os ministros da Casa Civil, Ciro Nogueira (recém-empossado); das Comunicações, Fábio Faria; da Secretaria de Governo, Flávia Arruda; do Turismo, Gilson Machado; da Cidadania, João Roma; da Educação, Milton Ribeiro, e da Economia, Paulo Guedes; das Relações Exteriores, Carlos França; do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho; da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas; da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina; e da Defesa, Walter Braga Netto.


Medalha de ouro


Na lista de “medalhistas de ouro” da saúde, foram condecorados o ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Luiz Eduardo Ramos; da Ciência, Tecnologia e Inovações, Marcos Pontes; e a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves.


Além das autoridades citadas, foram homenageados os presidentes da Câmara, Arthur Lira e do Senado, Rodrigo Pacheco. Recebem, ainda, a Medalha de Ouro do Mérito Oswaldo Cruz o chefe do Gabinete Pessoal do Presidente da República, Célio Faria Júnior; o secretário de Assuntos de Soberania Nacional e Cidadania do Ministério das Relações Exteriores, Fábio Marzano; o presidente da Petrobras, Joaquim Silva e Luna; e o diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, Ridauto Fernandes. A primeira-dama, Michelle Bolsonaro, presidente do Conselho do programa Pátria Voluntária, voltado para as populações mais vulneráveis, também foi condecorada com a medalha de ouro.


Já a medalha da Ordem do Mérito Médico, foi entregue para os médicos que realizaram as cirurgias de Bolsonaro no episódio da facada em 2018. Foram condecorados, na classe comendador, o cirurgião Antônio Macedo, do Hospital Albert Einstein, e o cirurgião Luiz Henrique Silva Borsato, da Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora.


Antônio Barra Torres, presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e Ricardo Peixoto Camarinha, médico cardiologista e assessor especial do presidente, receberam a honraria na classe Grande-Oficial, entre outros presentes.


Na ocasião, Bolsonaro fez nova ameaça velada à democracia. O mandatário declamou um trecho de uma música militar intitulada Canção da Guerra e relembrou o episódio da facada nas eleições de 2018 e homenageou os médicos que o operaram. Ele emendou que se considera um "médico da liberdade pelo Brasil".


Fonte: Correio Braziliense

5 visualizações0 comentário