top of page

Bebê sobrevive a gravidez rara fora do útero da mãe; entenda



Cansada de sofrer com dores abdominais por dez dias, uma mulher de 37 anos da ilha francesa de Reunião, a leste de Madagascar, foi ao pronto-socorro de um hospital para descobrir que estava, na verdade, grávida.


Apesar de ter um bebê de 23 semanas dentro do corpo, o útero da mulher estava completamente vazio. O feto havia se fixado na membrana que reveste a cavidade abdominal, logo acima do cóccix da mãe: um diagnóstico raro de gravidez abdominal. Devido ao alto risco de hemorragia materna e óbito fetal, a paciente foi transferida para um hospital de cuidados terciários.


A mãe tinha um histórico de dois partos vaginais a termo, um aborto espontâneo e nenhuma infecção sexualmente transmissível ou cirurgias anteriores. Com 29 semanas, o bebê nasceu e colocado na unidade de terapia intensiva neonatal. Cerca de 2 meses após o nascimento, a criança recebeu alta para ir para casa.


Como a gravidez funciona


O útero é adaptado para proteger e nutrir um óvulo fertilizado até que o feto esteja forte o suficiente para sobreviver no mundo exterior. Porém, em cerca de uma em cada cem gestações, o óvulo segue um caminho completamente diferente e se acomoda em um tecido muito menos adequado para seu desenvolvimento.


A maioria das gestações ectópicas se fixa na parede de uma das duas trompas de Falópio - que conduzem os óvulos dos ovários -, o que resulta em uma situação potencialmente ameaçadora à vida, caso o embrião continue a se desenvolver. Sem cuidados médicos adequados, até 10% dessas gestações podem levar à morte dos pais e da criança.


No entanto, em menos de um por cento das gestações ectópicas, o embrião recém-formado sai completamente do ambiente interno do útero e entra na cavidade abdominal, onde se instala contra a membrana peritoneal, baço ou algum outro tecido ou órgão, e cria uma placenta.


Surpreendentemente, esse arranjo nem sempre é tão desastroso para o embrião quanto parece. Pelo menos, não inicialmente. Mais cedo ou mais tarde, no entanto, o peso não suportado do crescimento da criança e a pressão dos órgãos circundantes representam riscos para o desenvolvimento da criança e a saúde dos pais.


A morte materna além das 20 semanas de gestação pode ocorrer em até um em cada cinco casos, devido a choque, hemorragia e falência de múltiplos órgãos.


Pós-operatório


Para a mulher, a visita oportuna ao pronto-socorro salvou sua vida. Uma ultrassonografia e uma ressonância magnética mostraram que, embora o revestimento do útero estivesse totalmente preparado para apoiar um embrião em crescimento, com o endométrio espesso, ninguém estava lá.


Enquanto as artérias da placenta foram obstruídas e parte do órgão foi removida durante a operação do parto, foi necessário um procedimento de acompanhamento 12 dias para remover cuidadosamente o restante do tecido placentário.


Não está claro o que causa embriões a passarem por migrações tão raras e incomuns. Estudos sobre gestações ectópicas sugerem que um histórico de casos anteriores pode aumentar o risco de recorrência, enquanto algumas infecções sexualmente transmissíveis, endometriose e doença inflamatória pélvica também podem desempenhar um papel.


Fonte: O Globo

1 visualização0 comentário
bottom of page