Após médico afirmar que era gordura, mulher descobre câncer de mama avançado


 
 

Edileny Mayre de Oliveira, de 46 anos, procurou um posto de saúde relatando dores no seio direito. Mas ouviu do médico que a atendeu que "era gordura" e que precisava emagrecer. Na época, em 2019, Edileny percebeu que as fortes começaram a aparecer após sua filha ter colocado a cabeça nos seus seios.

Três meses depois, ela recebeu o diagnóstico de câncer, que até hoje segue em tratamento. Ela já retirou as duas mamas.

Quando procurou o posto de saúde, Edileny disse que o médico pediu que fosse feita uma ultrassonografia e uma mamografia. Segundo o relato de Edileny, o profissional perguntou por que ela estava fazendo esse exame, e ela respondeu que sentia muitas dores. Mas mesmo após o exame, conforme Edileny, o profissional continuou a afirmar que era gordura e que ela não precisava se preocupar porque o nódulo iria sumir. Segundo diagnóstico Com o exame em mãos, Edileny procurou outro médico, que também reafirmou que era gordura e que "não era nada".

Edileny pediu que fosse marcada uma cirurgia, mesmo que fosse em um hospital particular, porque não queria ficar com nódulo. Segundo ela, entretanto, o médico receito um remédio e disse que não recomendava a cirurgia porque deixaria uma cicatriz grande. "Fui para casa e com o passar dos tempos, os meus seios cresceram muito e começaram a doer. Até perdi o movimento do braço direito", contou. Câncer de mama em estágio avançado A mulher, então, voltou ao posto de saúde três meses depois, quando o médico finalmente a encaminhou para o Hospital do Câncer. No local, Edileny recebeu o diagnóstico de câncer de mama em estágio avançado.

"Comecei a fazer a radioterapia e tive que parar de novo para retirar o útero, as trompas e o ovário. E quando saí do hospital, tive que voltar no outro dia para fazer a última radioterapia. Fiz a cirurgia e comecei a fazer a quimioterapia. Na sétima sessão apareceu outro nódulo no seio esquerdo. E então parei com a quimioterapia", disse. Para fazer uma segunda biópsia, Edileny precisou pedir ajuda financeira. E o resultado do exame apontou que o câncer já espalhou por outros órgãos.

Ela também afirma que vai buscar indenização por causa dos primeiros diagnósticos que recebeu, relatando gordura, mas que ainda não protocolou a denúncia.

"Eu e meus filhos choramos muito, mas muito mesmo. Tento ser forte o tempo todo para transmitir segurança para eles. Gostaria de ter doação para terminar minha casa porque até o momento estou morando com minhas duas irmãs", completou.


Fonte: G1

100 visualizações0 comentário