top of page

Aos 97 anos, a primeira-dama do fitness prova o valor da atividade física



Os exercícios matinais de Elaine LaLanne geralmente começam antes mesmo de ela sair da cama. Deitada em cima das cobertas, ela dá duas dúzias de canivetes. Na pia do banheiro, ela faz flexões inclinadas. Depois de se vestir e aplicar a maquiagem, ela vai para a academia de sua casa, onde sobe uma colina em uma esteira por alguns minutos e faz flexões laterais em uma máquina.

— Vinte minutos por dia me ajudam a seguir meu caminho — disse ela em sua casa na costa central da Califórnia.

Mas sua maior façanha diária de força acontece acima dos ombros. Aos 97 anos, Elaine lembra a si mesma todas as manhãs: “Você tem que acreditar que pode”. Ela acredita que a crença não apenas a manteve fisicamente ativa, apesar de lesões e obstáculos emocionais, mas também a ajudou a viver a vida de alguém décadas mais jovem. “Tudo começa na mente”, afirma.

O hábito da Elaine de falar em aforismos (“Não é um problema, é uma experiência”; “Você faz o melhor que pode com o equipamento que tem”) é o produto de uma vida inteira tentando inspirar as pessoas a se moverem mais e melhor eles mesmos. Por quase seis décadas, ela foi esposa e sócia de negócios do personalidade televisiva Jack LaLanne, que é amplamente considerado o pai do movimento fitness moderno, e cujo programa de exercícios durou 34 anos, de 1951 a 1985.

— Ela foi a força motriz por trás de Jack — Rick Hersh, agente de talentos de LaLanne por mais de 40 anos.

Embora Jack fosse um showman nato - ele alcançou a fama realizando acrobacias em Muscle Beach, em Santa Monica, na década de 1930 - Elaine preferia trabalhar nos bastidores, apoiando-o e gerenciando seu vasto império de entretenimento e empreendedorismo, que incluía não apenas um programa de TV, mas dezenas de programas de TV de aparelhos de fitness, produtos alimentícios e suplementos, além de uma rede de academias com mais de 100 localidades em todo o país.

Desde a morte de Jack em 2011, no entanto, Elaine (a quem os amigos chamam de LaLa) silenciosamente cultivou seguidores próprios. Ela ainda administra o negócio restante de sua família, a BeFit Enterprises – que vende vídeos de arquivo e memorabilia e licencia o nome LaLanne – em uma fazenda situada entre colinas empoeiradas e gado. Ela publicou dois livros nos últimos quatro anos e está desenvolvendo um documentário e um longa-metragem com Mark Wahlberg, que assinou contrato para interpretar Jack. E jogadores de longa data da indústria do fitness - a rainha do treino em casa dos anos 1990, Denise Austin, o guru do Tae Bo Billy Blanks, a lenda do fisiculturismo Lou Ferrigno - buscam seu conselho sobre como navegar na vida e nos negócios.

— Ela é quase como uma segunda mãe para mim — conta Ferrigno.

Em julho, na conferência anual da Idea Health & Fitness Association, LaLa caminhou pelos corredores com um sorriso e um andador novinho em folha enquanto um fluxo constante de profissionais de fitness tonificados e vestidos de lycra a paravam para tirar selfies. Por mais de uma década, ela apresentou o Prêmio Jack LaLanne, um prêmio pelo conjunto de sua obra concedido a personalidades do fitness que promovem saúde e exercícios na mídia.

— Muitos dos nossos membros vêm atrás dela — diz Amy Thompson, executiva-chefe da Idea — Talvez tenhamos que mudar o nome para Prêmio Elaine LaLanne — completou. De acordo com Shelly McKenzie, uma acadêmica independente e autora de “Getting Physical: The Rise of Fitness Culture in America”, em 1926, quando Elaine nasceu, poucos americanos faziam dos exercícios uma parte de suas vidas diárias. Quase um século depois, Elaine é uma “prova da eficácia de um hábito de exercício para toda a vida”, exclamou McKenzie – e talvez ainda mais importante, o poder de escolher como você deseja que a velhice seja e se sinta. 'Não quero ficar velha quando for velha' Criada em Minneapolis, Elaine sonhava com uma carreira no entretenimento. Em meados da década de 1940, ela foi para o oeste, para São Francisco, onde trabalhou no nascente meio de comunicação televisivo, tornando-se eventualmente produtora e coapresentadora de um programa diário de variedades ao vivo, o que era raro em uma época em que poucas mulheres foram além das funções de secretárias. No início da década de 1950, ela se tornou uma celebridade local, a quem um repórter chamou de “a queridinha da televisão de São Francisco”.

Mãe solteira divorciada e com um trabalho exigente, Elaine, então com 27 anos, fumava cigarros, comia barras de chocolate no almoço e, como a maioria dos americanos da época, não dedicava muita atenção a exercícios e nutrição.

Então, um dia, em 1951, o assessor de imprensa de um fisiculturista local e dono de uma academia ligou para o estúdio e disse que seu cliente poderia fazer flexões no ar durante um programa inteiro. Com certeza, Jack LaLanne conseguiu, levantando e abaixando seu corpo de 1,70 metro durante um programa completo de 90 minutos, enquanto os anfitriões continuavam normalmente.

Logo depois de se conhecerem, Jack foi até a mesa de Elaine no estúdio e a repreendeu por comer um donut e fumar. “Ela o dispensou, literalmente, dando uma mordida gratuita em seu donut e soprando fumaça de cigarro na cara dele”, escreveu o historiador do fitness Ben Pollack em 2018.

Mas com o tempo, ela se apaixonou não apenas por ele, mas por suas crenças sobre comer alimentos integrais e fazer exercícios - que ele adaptou da celebridade do estilo de vida do início do século 20, Paul Bragg, e que ele creditou por transformá-lo de um jovem doente em um jovem doente fisiculturista. Isso a fez pensar: “Não quero ficar velha quando for velha”.

Com a experiência televisiva de Elaine e o carisma de Jack, a estrela de LaLanne cresceu. A aparição de Jack no programa de Elaine acabou levando a seu próprio programa ao vivo na mesma rede e depois ao “The Jack LaLanne Show”, em Los Angeles, que se tornou a primeira série nacional dedicada a dieta e exercícios. Enquanto Jack estava se estabelecendo em Hollywood, Elaine apresentava seu show na Bay Area e dava palestras por todo o estado sobre vida saudável.

Ela também começou a administrar os detalhes comerciais de desenvolvimento de produtos e acordos de licenciamento que pressagiavam o mercado moderno de fitness voltado para a personalidade - incluindo uma balança de banheiro Jack LaLanne, uma faixa de resistência “Glamour Stretcher” e vitaminas.

Mas ela era mais conhecida por suas aparições diante das câmeras como coapresentadora. Jan Todd, pioneira no levantamento de peso feminino e presidente interina do departamento de cinesiologia da Universidade do Texas, em Austin, conta que sempre procurou modelos e "cresceu antes da aprovação do Título IX Mamãe não foi à academia". Jan encontrou inspiração em Elaine, que, com seu cabelo loiro e disposição alegre, fez com que a construção muscular parecesse aceitável para as mulheres. Em retrospectiva, nem todas as mensagens dos LaLannes promoveram a saúde. Assistir aos primeiros episódios é assistir ao nascimento da cultura dietética contemporânea, promovendo um ideal de corpo magro e apresentando a gordura como um problema a ser superado, enfatiza McKenzie. Eles cunharam e popularizaram frases como “10 segundos nos lábios e uma vida inteira nos quadris”.

Elaine mantém essas mensagens, dizendo que elas davam aos espectadores ferramentas e confiança para atingir seu objetivo. Mas ela reconheceu que “está melhor” agora que há uma diversidade de tamanhos de corpo na TV.

Com seu sorriso sempre presente e seu gosto por frases de efeito, a positividade de Elaine poderia facilmente ser confundida com ingenuidade. Mas a sua perspectiva positiva é difícil de conquistar, principalmente em resultado do dia 24 de Maio de 1973, quando a sua filha de 21 anos do seu primeiro casamento, Janet, morreu num acidente de carro. Na noite em que soube que sua filha havia sido morta ela se deparou com uma escolha: "desmoronar ou seguir em frente".

Ela pensou consigo mesma: “se ela puder ver você aí em cima, ela nunca iria querer me ver chorar”, conta Elaine, escolhendo as palavras com cuidado: — Quer dizer, não posso... ela se foi, não posso fazer nada a respeito. Não posso trazê-la de volta. A mulher que pregou o evangelho da mudança de vida sabia que isso era algo que ela nunca poderia mudar. Ela administrou sua dor da mesma forma que abordava todo o resto – avançando e treinando seu cérebro, como um músculo, para se concentrar não em sua perda, mas na alegria que sua filha lhe trouxera quando ela estava viva. 'Se você não se move, você fica imóvel' O maior legado dos LaLannes, conta Todd, pode ser “mostrar-nos o valor do exercício em relação ao envelhecimento”.

À medida que envelhecia, Jack fazia acrobacias na mídia em seu aniversário. Aos 70 anos, ele rebocou uma flotilha de 70 barcos a remo com 70 pessoas durante uma natação de um quilômetro e meio. Elaine começou a escrever livros sobre como passar da meia-idade, com títulos como “Fitness After 50” e “Dynastride!”.

Embora as pessoas que trabalharam em estreita colaboração com os LaLanne digam que ela foi a espinha dorsal do império, a própria Elaine evita o crédito pelo seu papel na construção dele.


Quando incentivada a destacar suas conquistas, ela rapidamente muda de assunto para outra coisa - geralmente Jack - ou volta aos seus aforismos característicos (“São preciso dois para dançar o tango”, “Uma banda de um homem só é bom, mas mais na banda faz é melhor"). Até os e-mails dela aparecem como “Jack LaLanne”. Elaine disse que desacelerou desde que completou 92 anos. Ela também caiu várias vezes na última década. Mas a força física que ganhou na academia a ajudou a se recuperar.

Junto com seus exercícios diários, Elaine dedica tempo a alongar-se e pendurar-se em uma barra de apoio, deixando seu corpo solto como uma boneca de pano. Ela usa o mesmo equipamento de treino que ela e Jack usaram durante a maior parte de suas vidas, incluindo aparelhos de musculação que Jack projetou na década de 1930 e uma esteira que o casal comprou no início da década de 1970.

— Você tem que se mudar. Se você não se move, você fica imóvel — alerta Elaine.


Fonte: O Globo

2 visualizações0 comentário
bottom of page