top of page

Anvisa proíbe venda de massas com substância contaminada



A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a comercialização, distribuição e o uso das massas alimentícias da empresa BBBR Indústria e Comércio de Macarrão, fabricadas entre 25 de julho e 24 de agosto. A resolução publicada nesta quinta-feira (22) também determina o recolhimento dos produtos.


De acordo com a Anvisa, a ação é parte da investigação sobre o caso do propilenoglicol contaminado com etilenoglicol, que causou a intoxicação e a morte de animais. O propilenoglicol contaminado foi fornecido pela empresa Tecno Clean Industrial.


Após inspeção na BBBR, a Anvisa verificou que a empresa adquiriu e usou o insumo contaminado como ingrediente na linha de produção de suas massas. Segundo os dados fornecidos à Anvisa, a empresa possui nome fantasia Keishi e é responsável pela produção e comércio de vários tipos de massas de estilo oriental, tais como udon, yakisoba, lamen, além de massas de salgados, como gyoza. Os produtos são vendidos também na forma de massas congeladas.


A Anvisa, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e os órgãos de Vigilância Sanitária locais seguem com a investigação e inspeções diárias nas empresas envolvidas. A Anvisa afirma que as informações sobre as empresas e a rastreabilidade dos produtos continuarão sendo atualizadas diariamente.


Além disso, ainda não foi protocolado nenhum recolhimento voluntário junto à Anvisa, mas todas as empresas envolvidas estão sendo rigorosamente acompanhadas e, se for verificada a necessidade de recolhimento de produtos, a Anvisa fará sua determinação.


A CNN entrou em contato com as empresas citadas pela Anvisa. Em nota, a Keishi afirmou que sempre primou pelo controle rigoroso da qualidade de seus produtos (veja a íntegra abaixo)


Entenda o que são as substâncias envolvidas


O etilenoglicol é um solvente orgânico altamente tóxico que causa insuficiência renal e hepática quando ingerido, podendo inclusive levar à morte.  Segundo a Anvisa, não há autorização para o uso dessa substância em alimentos.


Já o aditivo alimentar propilenoglicol é autorizado para alguns alimentos. No entanto, uma resolução da Anvisa determina que seu uso não é permitido na categoria de massas alimentícias. A Anvisa afirma que indústrias utilizam o propilenoglicol nos processos de refrigeração, em que não há contato direto com o alimento. Quando o propilenoglicol é usado apenas no processo de refrigeração, não há necessariamente risco ao consumo dos produtos das empresas que tenham adquirido o insumo contaminado.


O que fazer se você tiver adquirido o produto


A Anvisa recomenda que empresas que tenham as massas da marca Keishi (BBBR Indústria e Comércio de Macarrão) não devem comercializar ou utilizar os produtos. O mesmo vale para consumidores que tenham comprado algum desses produtos. A agência recomenda que deve-se entrar em contato com a empresa, para devolução dos produtos.


Se o consumidor não encontrar a data de fabricação no rótulo do produto, ele deve entrar em contato com a empresa, para confirmar sua fabricação. Se não houver certeza a respeito dessa informação, o produto não deve ser consumido.


Nota da empresa Keishi


A Keishi sempre primou pelo controle rigoroso da qualidade de seus produtos.

Neste episódio, a Anvisa proibiu a comercialização dos produtos fabricados no período de 25/jul/2022 a 24/ago/2022, com uso do suposta substancia contaminada. Este lote corresponde a pouco mais de 1% do total dos produtos fabricados e vendidos pela Keishi no período.


Em nenhum momento a Keishi desconfiou da qualidade da substância utilizada em seus produtos, pois adquiriu de boa-fé de fornecedor idôneo, com quem mantém relações comerciais de longa data, que tem nome respeitado no mercado. À Keishi mantém estreito contato com o fornecedor visando elucidar o ocorrido.


Ao mesmo tempo, seguindo a orientação da Anvisa, a Keishi já entrou em contato com clientes visando recolher e rastrear os produtos pertencentes a este lote. Como se trata de produtos fabricados há quase 1 mês, não houve estoque a recolher e também não houve nenhum relato de danos à saúde do consumidor.


A Keishi esclarece que a ação da Anvisa é preventiva e pontual e não houve nenhuma ordem para paralisar as atividades ou interditar a fábrica da Keishi.


Esclarece, outrossim, que a Keishi está colaborando com a Anvisa e Vigilância Sanitária no rastreamento e recolhimento dos produtos e elucidação dos fatos, visando evitar problemas futuros e preservar a saúdo dos nossos consumidores.


A Keishi continua operando normalmente, oferecendo a seus clientes/consumidores produtos de qualidade com segurança que tem sido a marca registrada dos seus produtos.

São Paulo-SP, 23 de setembro de 2022.


Fonte: CNN

7 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page