Antibiótico não apresenta benefícios no tratamento de pacientes graves com Covid, diz estudo



Um estudo publicado nesta sexta-feira (4) aponta que não há benefício comprovado no uso do antibiótico azitromicina no tratamento de pacientes graves da Covid-19. Os resultados da parceria entre pesquisadores de oito instituições brasileiras foram publicados na revista científica "The Lancet".

A azitromicina é um medicamento usado em infecções bacterianas. Ele tem sido comumente utilizado durante o tratamento da doença causada pelo Sars CoV-2. Em alguns casos, tem sido associado à cloroquina, medicamento que também não teve eficácia comprovada contra a Covid. Na atual pequisa, o foco é apenas no antibiótico. De acordo com o novo estudo, que foi feito seguindo o chamado "padrão ouro", com escolha randomizada dos pacientes (sorteio), a indicação da azitromicina não melhorou a evolução clínica dos indivíduos. Resumo do estudo

  • Começou em 28 de março e incluiu o último paciente em 19 de maio;

  • Foram cadastradas 447 pessoas em 57 hospitais do Brasil. 397 apresentaram teste com resultado positivo para o novo coronavírus;

  • Todos estavam em estado grave, de acordo com um destes critérios médicos: uso de mais de 4 litros de oxigênio por dia, ou de cânula nasal de alto fluxo, ou necessidade de ventilação não invasiva ou ventilação mecânica;

  • Todos os pacientes apresentavam pelo menos um fator de risco de agravamento da doença: hipertensão, diabetes, doenças cardiovasculares e insuficiência renal crônica;

  • Metade dos pacientes estavam sob ventilação mecânica ao longo da pesquisa.

Após o sorteio, 214 pessoas receberam a azitromicina mais o tratamento padrão; outras 183 também receberam o tratamento normal, mas sem a azitromicina. Foram administradas doses diárias de 500 mg do antibiótico por 10 dias.

Após 29 dias de acompanhamento, os pesquisadores não encontraram diferenças significativas no estado de saúde dos dois grupos. A taxa de óbito para quem recebeu o antibiótico ficou em 42%, contra 40% entre os que não tomaram o medicamento.

Também não houve diferença no tempo médio de internação: 26 dias para os pacientes que receberam azitromicina e 18 dias entre os que receberam apenas a terapia padrão.

Em entrevista ao G1, o diretor do Centro Internacional de Pesquisa do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, Álvaro Avezum, um dos autores, disse que os efeitos colaterais também foram semelhantes nos dois grupos. Ocorreram casos de insuficiência renal com necessidade de diálise em 39% dos pacientes com a azitromicina, contra 33% entre os medicados com a terapia padrão. Sobre a Coalização Covid Brasil Esta pesquisa é resultado do esforço de diversas instituições brasileiras. São elas: Hospital Israelita Albert Einstein; HCor; Hospital Sírio-Libanês; Hospital Moinhos de Vento; Hospital Alemão Oswaldo Cruz; BP – A Beneficência Portuguesa de São Paulo; Brazilian Clinical Research Institute (BCRI) e Rede Brasileira de Pesquisa em Terapia Intensiva (BRICNet).

Em 23 de julho, a Coalizão já havia publicado o resultado de outra pesquisa que estava em andamento no "The New England Journal of Medicine". Nela, os autores mostraram que a hidroxicloroquina não teve eficácia no tratamento da Covid-19 em pacientes com casos leves e moderados atendidos em hospitais.

O estudo apontou que, após 15 dias de tratamento, percentuais semelhantes dos pacientes (que tomaram ou não hidroxicloroquina) já estavam em casa "sem limitações respiratórias". O percentual de óbitos foi igual em todos os grupos: 3%.

Há, ainda, um terceiro estudo do grupo de pesquisadores publicado nesta semana. A pesquisa, que saiu na revista "JAMA", avaliou o uso da dexamatasona, um corticoide, em pacientes internados em UTI com quadro pulmonar de alta gravidade. Neste caso, o medicamento apresentou efeito benéfico e conseguiu reduzir o tempo de ventilação dos pacientes envolvidos. Outros estudos da coalizão em andamento

  • Coalizão IV – Está avaliando se a anticoagulação plena com rivaroxabana traz benefícios para pacientes com Covid-19 com risco aumentado para eventos tromboembólicos. Foram incluídos 120 de um total previsto de 600 pacientes em 40 centros.

  • Coalizão V – Está avaliando se a hidroxicloroquina previne o agravamento da Covid-19 em pacientes não hospitalizados. Foram incluídos 764 de um total previsto de 1300 pacientes em 63 centros.

  • Coalizão VI – Avaliou se o tocilizumab, um inibidor da interleucina 6, é capaz de melhorar a evolução clínica de pacientes hospitalizados com Covid-19 e fatores de risco para formas graves inflamatórias da doença. Inclusão de pacientes encerrada com 129 casos em 12 centros. Os resultados deverão ser publicados em breve.

  • Coalizão VII – Está avaliando o impacto a longo prazo, após alta hospitalar, incluindo qualidade de vida, de pacientes que tiveram Covid-19 e foram participantes dos demais estudos da Coalizão. Até o momento, foram incluídos 980 pacientes.

  • Coalizão VIII – Avaliará se anticoagulação com rivaroxabana previne agravamento da doença com necessidade de hospitalização em pacientes não-hospitalizados com formas leves da Covid-19. Previsão de início de inclusão em setembro de 2020 (1.000 pacientes).

  • Coalizão IX – Avaliará se drogas antivirais isoladas e/ou em combinação são efetivas para tratar casos de Covid-19 hospitalizados com doença moderada. Os antivirais a serem testados são atazanavir, daclatasvir e daclatasvir associado a sofosbuvir. Previsão de início em setembro de 2020.


Fonte: G1

7 visualizações

© 2020 Portal Saúde Agora. Tudo sobre SAÚDE em um só lugar!

  • Facebook
  • Instagram