top of page

Ansiedade silenciosa: os sintomas da condição confundida com estresse



Apesar de ser vista atualmente como um problema, segundo a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), a ansiedade é uma sensação comum e fundamental para ajudar o indivíduo a evitar situações de risco e resolver problemas.


Entretanto, quando frequente, o que é normal se torna uma patologia — o transtorno atinge 26,8% dos brasileiros, mais do que uma em cada quatro pessoas. O número faz do Brasil o país mais ansioso do mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).


“Habitualmente, as preocupações têm sempre um motivo definitivo e mantêm o fluxo do pensamento para a resolução daquele problema. Quando está aborrecida ou chateada, a pessoa identifica a origem do sentimento e busca a resolução. Já a ansiedade atravessa a mente, gerando uma resposta fisiológica no corpo”, explica a psicóloga Roselene Espírito Santo Wagner, de Santa Catarina.


Muitas vezes, o estresse pode ser confundido com ansiedade. Porém, o indivíduo ansioso sente a inquietação e instabilidade emocional constante que caracteriza o transtorno.


Segundo a psicóloga Juliana Gebrim, do Instituto de Psicologia Aplicada e Formação de Portugal (Ipaf), a ansiedade é silenciosa porque os sintomas podem ser sutis e variar entre cada pessoa, além de não existirem evidências visíveis da condição. “Ela provoca preocupações intensas e persistentes, muitas vezes sem uma causa real”, afirma.


Veja sintomas que indicam o momento de procurar ajuda:

  • Dificuldade para dormir;

  • Comportamento inquieto, como balançar as pernas constantemente;

  • Irritabilidade;

  • Dificuldade para se concentrar;

  • Tendência a cansar-se facilmente;

  • Pensamentos recorrentes de morte ou suicídio;

  • Isolamento social;

  • Estresse;

  • Falta de interesse em atividades cotidianas.


Tratamento pra ansiedade


Se os sintomas forem constantes, o ideal é procurar a psicoterapia para lidar com as dificuldades emocionais. Segundo o psicanalista Guilherme Cavalcanti, da Segmedic, do Rio de Janeiro, o tratamento não se restringe apenas a quem sofre com transtornos mentais.


“Na psicoterapia, a pessoa entra em contato consigo de forma profunda. Ressignifica traumas e experiências dolorosas, libertando-se de monstros do passado. Adquire ferramentas que ajudarão a lidar com os desafios da vida, desenvolver habilidades sociais e solucionar problemas”, explica Cavalcanti.


Práticas como a respiração profunda, meditação, ioga e exercícios de relaxamento muscular progressivo também podem ajudar a reduzir a ansiedade e promover a tranquilidade.


“Manter um estilo de vida saudável, com uma alimentação equilibrada, exercícios físicos regulares, sono adequado e evitar o consumo excessivo de álcool e cafeína, pode ajudar a reduzir os sintomas. Ter uma rede de apoio de amigos e familiares pode ser benéfico para lidar com o problema”, afirma a psicóloga Juliana.


Fonte: Metrópoles

2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page