top of page

Aneurisma: entenda o que é a doença que causou a morte de fisiculturista alemão



O fisiculturista alemão Jo Lindner, conhecido nas redes sociais como Joesthetics, morreu por conta de um aneurisma aos 30 anos.


👉 A doença é uma dilatação anormal das artérias ou vasos sanguíneos, por onde circula o nosso sangue. (Entenda mais abaixo.)

A causa da morte foi confirmada pela namorada do influenciador fitness, Nicha, no sábado (1º). Ela escreveu nas redes sociais que, três dias antes, Lindner estava com uma dor no pescoço, mas eles não perceberam que poderia ser aneurisma "até que fosse tarde demais".

Especialistas ouvidos pelo g1 ressaltam que a condição não tem relação com suplementação alimentar, prática de atividades físicas ou fisiculturismo, mas pode ter com o uso de anabolizantes. No comunicado da namorada do influencer, no entanto, o uso de anabolizantes não foi mencionado. Abaixo, confira seis pontos sobre aneurisma, sintomas e tratamentos: 1 - O que é um aneurisma? O aneurisma é uma dilatação das artérias ou vasos sanguíneos, as vias por onde circula o sangue do nosso organismo.

Enrico Ghizoni, diretor da Neurocirurgia da Unicamp, explica que é possível fazer uma analogia com um pneu de uma bicicleta. Quando a câmara de um pneu de uma bicicleta está mais frágil, forma-se uma bolha nela. Então, aneurisma é mais ou menos parecido com isso porque a parede do organismo é bem mais fina do que a parede do vaso. — Enrico Ghizoni, diretor da Neurocirurgia da Unicamp

Essa "bolha", se não descoberta logo, pode se romper a qualquer momento, causando sérias consequências de saúde para o paciente, ou até mesmo a morte.

Ghizoni diz que a maioria dos estudos estimam que 2% da população mundial tenha algum aneurisma, mas que somente 0,5% irão apesentar um aneurisma que irá se romper ou sangrar. 2 - Aneurisma tem relação com a prática de atividade física, fisiculturismo ou suplementação? Não tem! O médico José Maria de Campos Filho, neurocirurgião da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo, explica que o fisiculturismo não é um fator de risco para um aneurisma.

O que acontece, segundo ele, é que algumas pessoas já nascem com fragilidade em algum ponto dos vasos, como os cerebrais.

Agravantes: O quadro pode levar ao desenvolvimento de aneurisma e ruptura dos vasos dependendo de características como sexo, etnia, idade, presença de hipertensão arterial e tabagismo.

O médico do esporte e fisiatra Fabrício Buzatto acrescenta que a condição também não tem relação com a suplementação alimentar. "O que pode ter correlação é o uso de testosterona ou outros anabolizantes que podem fazer disfunção da pressão arterial, alterações no perfil lipídico, que podem favorecer essas alterações arteriais", diz. 💣 Riscos do uso de anabolizantes: Os esteroides anabolizantes são drogas, administradas principalmente por via oral ou injetável, que se assemelham à testosterona ou outros andrógenos (hormônios masculinos produzidos nos testículos). No caso do influencer alemão, a namorada não informou se ele fazia uso desse tipo de substância.

"Como a hipertensão arterial é um fator de risco, o uso de substâncias ou atividades que mantenham o organismo constantemente nesses patamares de pressão pode, na teoria, auxiliar neste processo da doença, acrescenta Campos Filho.

De forma geral, diversos problemas de saúde estão associados ao uso indevido de anabolizantes. Segundo o Ministério da Saúde, os principais efeitos adversos são:

  • tremores;

  • acne severa;

  • retenção de líquidos;

  • dores nas juntas;

  • aumento da pressão sanguínea;

  • tumores no fígado e pâncreas;

  • alterações nos níveis de coagulação sanguínea e de colesterol; e

  • aumento da agressividade, que pode resultar em comportamentos violentos, às vezes, de consequências trágicas.

📣 Importância de prestar atenção nos sinais: Buzatto ressalta ainda que, no caso de atletas profissionais e pessoas que fazem intensos exercícios para desenvolver a musculatura, muitas vezes a dor, um importante sinal de alerta do corpo, costuma ser ignorada. Uma coisa é você ter uma dor no ombro, no cotovelo, porque treinou mais. Agora, uma coisa é ter uma dor no pescoço, que não é uma região que a gente treina exaustivamente, ou uma dor torácica, ou uma dor intraescapular, ou uma dor abdominal. — Fabrício Buzatto, médico do esporte e fisiatra

"São dores que sinalizam um alerta, até porque os órgãos vitais, ou entre aspas semi-vitais, como fígado ou intestino, estão nessas regiões abdominais e torácica. E o pescoço, por trazer grandes artérias importantes para o corpo", acrescenta. 3 - Quais são os sintomas? Em geral, a doença é silenciosa. Caso não haja rompimento, somente exames médicos, como uma ressonância magnética ou uma tomografia, poderão indicar a enfermidade. Geralmente, são achados acidentais. O paciente vai investigar alguma dor de cabeça, algum problema do tipo e aí a gente identifica esse aneurisma que não rompeu. — Enrico Ghizoni, neurocirurgião Já os aneurismas que apresentam rompimento trazem os principais sintomas associados:

  • uma súbita e forte dor de cabeça (no caso do cerebral), que aumenta com o passar do tempo: "Geralmente, é a pior dor de cabeça da vida desse paciente", alerta Ghizoni.

  • problemas na visão - caso o aneurisma cresça perto do nervo da visão;

  • desmaios, náuseas, vômitos;

  • dor no pescoço; e

  • rigidez bucal.

Se o aneurisma for no cérebro, uma angiografia cerebral digital é mais indicada, um procedimento mais invasivo que utiliza cateteres para chegar até os vasos cerebrais. "O rompimento de um aneurisma é um problema bastante grave porque aumenta a pressão intracraniana. Chamamos de uma catástrofe intracraniana", diz c Sintomas como perda de memória ou alucinações são mais raros, mas Ghizoni explica que isso pode acontecer como uma sequela da doença, não na fase aguda.

"A fase aguda é algo bem dramático, é uma dor de cabeça muito forte, às vezes pode até paralisar um lado do corpo, mas não é o mais comum", diz. 4 - Dor no pescoço é um dos sintomas de aneurisma cerebral? A dor no pescoço não é um sintoma típico de aneurisma cerebral, mas pode aparecer em situações mais raras, segundo Iuri Neville, neurocirurgião da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo. A namorada do fisioculturista disse que, dias antes de morrer, ele sentiu dores no pescoço, mas ela não confirmou se o aneurisma dele foi no cérebro. A dor de cabeça (cefaleia) intensa e súbita é o sintoma mais comum. Costuma ser descrita como a “pior dor de cabeça da vida”.Mas alguns pacientes (com aneurisma cerebral roto) podem sim sentir uma dor na região posterior do pescoço. — Iuri Neville, neurocirurgião da BP

De acordo com ele, o rompimento de um aneurisma, geralmente, provoca uma dor contínua, intensa, em toda região cervical posterior, e costuma estar acompanhada de outros sintomas, como dor de cabeça, náuseas e vômitos.

Ele ressalta que a dor no pescoço (cervicalgia) é um sintoma muito comum na população e, normalmente, está associada a problemas de natureza muscular e quadros tensionais. "Apesar da ruptura de aneurisma cerebral poder causar cervicalgia, é importante reforçar que esta é apenas uma causa muito rara", diz. Existe também outro problema potencialmente grave que pode causar dor cervical: a dissecção da artéria carótida ou da artéria vertebral, que são vasos presentes no pescoço e que levam sangue do coração para o cérebro. Trata-se de um problema de saúde grave, que pode causar isquemia cerebral e alterações neurológicas graves. 5 - Qual é o principal perfil e quais são as causas? O chefe de Neurocirurgia da Unicamp explica que é importante fazer uma distinção entre aneurisma e hemorragia. Ele diz que hemorragias (a perda súbita de sangue) são causadas, geralmente, por um aneurisma, e que esse último, por sua vez, tem diversas causas.

Ghizoni diz que os sintomas de um aneurisma ocorrem porque, quando a pressão do cérebro aumenta, isso facilita o desenvolvimento e o rompimento de um aneurisma. Os grupos que têm mais propensão a terem a doença são:

  • mulheres, por volta dos 50 anos;

  • tabagistas;

  • pessoas com síndromes genéticas;

  • pacientes com hipertensão; e

  • pacientes com doenças do colágeno (síndromes de Marfan e de Ehler Danlos).

"O diagnóstico precoce da hemorragia é muito importante porque, se o aneurisma sangrar de novo, o risco é maior. A mortalidade beira a 70%", diz o médico. 6 - Como é feito o tratamento? Diagnosticado o aneurisma, o tratamento em geral é cirúrgico, a depender da idade do paciente, do tamanho do aneurisma e do grau de risco que a complicação representa para o paciente. Enrico Ghizoni cita dois procedimetos mais comuns, a embolização ou a cirurgia aberta. "Em geral, se você descobriu um aneurisma que não sangrou, você precisa de tratamento. É muito raro que isso não aconteça", diz o médico. A embolização coloca uma espécie de mola dentro do aneurisma, o que impede circulação de sangue para lá e, consequentemente, o seu rompimento.

"O aneurisma que rompeu tem que ser excluído da circulação. Ou através da embolização ou através da cirurgia aberta. E aí cada situação tem um tratamento que é melhor. Por exemplo, se for um aneurisma de grau III, que não é muito comum, a cirurgia aberta em geral é melhor", diz.

Uma vez, então, que o paciente fez o tratamento do aneurisma e ele foi completamente excluído, essa pessoa poderá ter uma vida normal, explica Ghizoni. Contudo, o especialista ressalta que alguns cuidados devem serem observados depois dessa recuperação.

"Se essa pessoa for tabagista ou hipertensa, ela não pode voltar a ter esses hábitos porque senão daí novos aneurismas podem voltar a se formar", diz. "O aneurisma é um diagnóstico muito importante, grave. Então, se há uma suspeita de aneurisma, você tem que procurar um médico para o diagnóstico". Fonte: G1

5 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page