A cada 2 dias, uma criança de 5 a 11 anos morreu de Covid no Brasil


O Brasil registrou 301 mortes de crianças entre 5 a 11 anos em decorrência do coronavírus desde o início da pandemia até 6/12. Isso corresponde a 14,3 mortes por mês, ou uma a cada dois dias, segundo dados da Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização da Covid-19. Esse é o grupo etário para o qual a Anvisa aprovou a aplicação do imunizante da Pfizer na última semana — contudo, o Ministério da Saúde ainda não deu o aval para o início da vacinação.


Os registros também mostram que 2.978 crianças receberam diagnósticos de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) por Covid-19, com 156 mortes, em 2020. E em 2021, já foram registrados 3.185 casos, com 145 mortes, totalizando 6.163 casos e 301 mortes. Segundo a Conitec, além dos casos de SRAG por Covid-19, até o último dia 27/11 foram confirmados 1.412 casos da Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica associada à Covid-19 em crianças e adolescentes de zero a 19 anos — entre os diagnosticados, 85 morreram.


A Câmara Técnica de Assessoramento em Imunização (CTAI) já se manifestou a favor da imunização para o público infantil. Segundo o órgão, dados preliminares mostram que a aplicação da vacina apresenta “um risco substancialmente menor” de eventos adversos se comparado “com o risco previamente observado em adolescentes e adultos jovens após a vacinação”. O órgão foi criado em agosto deste ano para ajudar o governo a elaborar as políticas de vacinação contra a doença.

“Os benefícios são muito maiores do que os riscos, pilar central de avaliação de qualquer vacina incorporada pelos diversos programas de vacinação, seja no Brasil ou no mundo”, diz um trecho do documento.

As mortes de crianças por Covid superam a média anual de óbitos por doenças circulatórias, paralisia cerebral e câncer no cérebro, algumas das principais causas de mortalidade na faixa etária de 5 a 11 anos no Brasil.


“Hoje a Covid-19 é a doença prevenível por vacinação que mais mata as crianças e adolescentes brasileiros. Se as pessoas não hesitam em se vacinar ou vacinar seus filhos contra sarampo, meningite, coqueluche, não há razão para ter dúvidas sobre a vacinação contra a Covid. As vacinas têm se mostrado de enorme segurança, com quase 10 milhões de doses aplicadas no mundo, e riscos menores até do que em adolescentes”, explica o infectologista Renato Kfouri, presidente do Departamento de Imunizações da Sociedade Brasileira de Pediatria, ao jornal O Globo.


Fonte: Metrópoles


12 visualizações0 comentário